Baixou!

Libra a menos de R$ 4 faz deste um bom momento para ir à Inglaterra

Embora a Inglaterra continue sendo um destino caro, a desvalorização da libra faz com que este seja o melhor momento nos últimos anos para planejar uma visita à ilha 

Por: Bruna Vargas
18/10/2016 - 03h00min | Atualizada em 18/10/2016 - 03h00min
Libra a menos de R$ 4 faz deste um bom momento para ir à Inglaterra Reprodução/
Em relação ao real, a diferença na cotação já alcança 30% de outubro do ano passado para cá Foto: Reprodução

Enquanto o governo britânico lida com as consequências políticas e econômicas da saída do Reino Unido da União Europeia, decidida em referendo meses atrás, turistas podem dedicar um olhar mais simpático à antes pouco acessível terra da rainha. Isso porque, após o resultado, a libra esterlina entrou em queda livre: atingiu a menor cotação em relação ao dólar dos últimos 31 anos. Em relação ao real, a diferença já alcança 30% de outubro do ano passado para cá. De R$ 6,36, em 23 de setembro de 2015, a moeda britânica chegou a R$ 3,91 na semana passada, e pode seguir caindo nas próximas semanas.

A libra deve se manter em queda até que o governo britânico mostre números consistentes fora da zona do euro. A Inglaterra é um país forte, organizado, e as coisas devem se acalmar nos próximos meses, quando a moeda tende a se estabilizar. O que não significa necessariamente uma recuperação — diz Mauro Calil, fundador da Academia do Dinheiro.

Leia também
Dez atrações gratuitas em Londres
Programas para curtir Londres praticamente de graça
Três cidades da Inglaterra mostram que o turismo no país vai muito além de Londres

Para o administrador, o momento é bom para quem quer comprar a moeda visando futuras viagens, mas exige planejamento. Segundo Calil, em casos como esse, o ideal é orçar os gastos de viagem com antecedência e "fatiar" a compra da moeda estrangeira em, no máximo, três etapas. Como a transação acarreta taxas, realizá-la a conta gotas vai promover mais gastos em vez de ajudar a economizar.

Presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens do Rio Grande do Sul (Abav-RS), João Augusto Machado conta que a baixa da moeda britânica observada nos últimos meses ainda não se refletiu em maior procura pelo destino. Ele explica que muito se deve ao fato de que o país dos Beatles e dos Rolling Stones sempre foi um destino caro para os turistas brasileiros — e deve continuar sendo, mesmo com a cotação mais favorável.

— As pessoas que procuram viagens para o Reino Unido, em geral, já fizeram outras pela Europa. Esses países sempre tiveram um alto custo, ainda mais para uma viagem em família. Mas, sem dúvida, é um bom momento para inclui-los no roteiro — avalia.

Conforme os especialistas, é impossível prever até quando a libra esterlina deve continuar caindo. O velho continente atravessa um momento de incertezas: a cada novo anúncio, como o da data de ruptura com a UE, no início do mês, o mercado reage, causando ainda mais turbulência. A situação em casos como esse pode favorecer quem planeja visitar o país em curto ou médio prazos, mas pode prejudicar quem tem planos mais distantes e duradouros. Cursos e intercâmbios, que exigem um planejamento com muita antecedência, podem ser afetados negativamente pelas mudanças na Inglaterra. E, nesses casos, o problema pode ir além do fator econômico.

— Há uma tendência de que, com as mudanças, fique mais difícil o acesso para quem é de fora do país. Pode ser que comecem a exigir coisas que hoje não são necessárias, como o visto — projeta Ana Flora Bestetti, supervisora da regional da CI no sul do Brasil.


 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.