Prazer necessário

Sexo com regularidade é indicativo de saúde física e emocional

Autoconhecimento e criatividade são ingredientes fundamentais para o bom relacionamento na cama

01/08/2014 | 14h57
Sexo com regularidade é indicativo de saúde física e emocional  Divulgação/Divulgação
Em qualquer idade, falar sobre o assunto ajuda a compreender desejos e necessidades na cama Foto: Divulgação / Divulgação

A recente notícia da mulher que divulgou nas redes sociais a lista de desculpas do marido para não transar coloca em evidência a realidade: a falta de prazer sexual é um alerta vermelho. Fatores emocionais, financeiros e distúrbios podem até justificar a falta de entrosamento na hora H, mas não evitam frustrações. Quem não consegue usufruir plenamente todo o potencial de sensações fornecidos pelo próprio corpo, uma hora ou outra vai reclamar.

Espécie de remédio natural, uma boa transa é capaz de liberar endorfina, um neuro-hormônio que, além do efeito analgésico, tem poder de controlar a reação do corpo à tensão, regulando algumas funções do sistema nervoso como as contrações da parede intestinal, determinando o humor. Além disso, melhora a pele, pois ativa a circulação, favorecendo a oxigenação. Sem falar no gasto calórico: em 30 minutos, é possível queimar cerca de 100 calorias. Do ponto de vista fisiológico, ainda há benefícios como a regulação da frequência cardiovascular, o aumento da imunidade e, claro, a melhoria da disposição.

Vídeo: confira na enquete como vai a vida sexual da população

 

Pesquisadora do assunto há 20 anos, a psiquiatra e especialista em medicina sexual Carmita Abdo diz que, além de promotor da boa saúde, o sexo é uma atividade natural para a maior parte das pessoas saudáveis.

— Sexo com regularidade é indicativo de saúde física e emocional — enfatiza a especialista.

Frequência não determina plena satisfação na cama

Liderada por Carmita, a pesquisa Mosaico Brasil mostra que, para 90% da população, sexo é uma atividade prioritária. E independentemente do orgasmo, ser satisfatório, é o que garante os benefícios fisiológicos da prática. Mas, apesar de o brasileiro ser conhecido como povo bem resolvido na cama, pelo menos metade desse total tem algum tipo de dificuldade:

— O que acontece no Brasil, sobretudo entre as mulheres, é que ainda se fala pouco do assunto. É preciso comunicar, apontar as preferências, posições, desejos. Só assim vai melhorar a prática — diz ela.

Investigue a causa, vá além

Homens sem desejo, mulheres com dores e infecções na região pélvica ou simplesmente questões emocionais mal resolvidas. Se o sexo é ruim ou inexistente, essas podem ser algumas das causas do desconforto. Segundo Carmita Abdo, aspectos físicos, como o vaginismo (contração dos músculos da vagina que impedem a penetração) ou psicológicos, como o luto ou a depressão, precisam ser compreendidos e tratados. Para efeitos de avaliação, especialistas costumam aguardar seis meses antes de considerar patológica a falta de atividade sexual.

Para muitas mulheres, sobretudo as de uma geração em que não se tinha tanta liberdade sexual, falar do tema ainda é um tabu. Quebrar essa resistência faz parte do autoconhecimento, diz a sexóloga e ginecologista Florence Coelho Marques:

— Várias mulheres da terceira idade ainda vivem com inibições e mitos. Adolescentes e adultas jovens já sabem da importância de se olhar, se tocar. Isso deve ser mais estimulado, afinal, faz bem.

Florence alerta que o uso de medicações, alterações na tireóide e distúrbios no sono (excessivo ou ausente) também podem impactar na vida sexual, mas não devem servir de desculpa para viver sem prazer — há várias formas terapêuticas de resolver esses problemas.

Genética + ambiente = transtorno

Até hoje não se conhece precisamente a origem de condutas sexuais fora do padrão, como exibicionismo, troca de gênero ou relações com crianças e animais. Carmita explica que muitas possibilidades foram aventadas pela ciência para explicar casos como esses, mas o mais usual é atribuir a causa a fatores genéticos, ambientais e culturais.

As experiências de iniciação, sobretudo ligadas ao meio, segundo Florence, influenciam muito:

— Por mais estranha que pareça, a zoofilia é melhor compreendida em áreas rurais do que em centros urbanos, por exemplo. 

VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.