Fim do mistério

Doença que deixa a urina preta é causada por intoxicação com peixe, revela estudo

Toxina ingerida pelos animais seria prejudicial a humanos

13/03/2017 - 09h35min | Atualizada em 13/03/2017 - 09h35min

Um estudo realizado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) revelou que uma doença que deixava a urina preta pode se tratar da síndrome de Haff. Conforme o jornal Extra, um grupo de 12 médicos chegou à conclusão após analisar fezes, sangue e urina de 15 pacientes que foram internados em dois hospitais particulares de Salvador.

Essa síndrome tem como característica dores musculares agudas associadas a um aumento significativo das enzimas nos músculos, quadro que ocorre, muitas vezes, após a ingestão de peixe. No estudo, os pacientes relataram a ingestão de peixes como olho de boi e badejo, além de pratos típicos da culinária baiana.

Leia mais:
Duas pessoas já morreram com sintomas de doença misteriosa que deixa a urina preta

— Na investigação vimos que a relação era muito maior com a ingestão de peixe. Temos hoje fechado que se trata da síndrome de Haff — afirmou ao jornal Correio da Bahia o médico infectologista Antônio Bandeira.

Segundo ele, a doença seria causada por uma toxina prejudicial a mamíferos que é ingerida pelo peixe na sua alimentação. Essa substância estaria presente em algumas algas e corais.

Entre dezembro e janeiro, 50 pessoas apresentaram a doença na Bahia. No Ceará, também houve registro de três casos.

Embora tenham relacionado o problema com a ingestão de peixe, os especialistas não souberam indicar exatamente qual toxina causa a doença.

Para a Secretaria do Estado da Bahia (Sesab), não se pode fazer uma associação direta do consumo de peixes e a doença. Os testes enviados para os Estados Unidos não constataram toxinas relacionadas às espécies de peixes investigadas. 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.