Neurociência

Pesquisadores do Rio de Janeiro descobrem estratégia para conter Alzheimer em camundongos

Cientistas restabeleceram, nos animais, comunicação de sinais nervosos interrompida pela doença

14/06/2017 - 17h00min | Atualizada em 14/06/2017 - 17h27min
Pesquisadores do Rio de Janeiro descobrem estratégia para conter Alzheimer em camundongos Naeblys-Shutterstock/Reprodução
Foto: Naeblys-Shutterstock / Reprodução  

Usando camundongos, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) conseguiram deter o maior problema ocasionado pela doença de Alzheimer: a perda das funções do cérebro. Reportagem do jornal O Globo mostra que os cientistas restabeleceram a comunicação de sinais nervosos interrompida pela doença, restaurando a memória.

Desta vez, o grupo de pesquisadores se debruçou sobre os astrócitos, um tipo de célula responsável pelas mensagens químicas do cérebro. A descoberta lançou luz sobre um defeito nessas estruturas provocado pela presença de compostos inflamatórios chamados oligômeros. Após o ataque desses compostos, os astrócitos passam a produzir menos TGF-b1, substância fundamental para a comunicação dos sinais nervosos.

Leia mais:
Teste genético revela risco de Alzheimer
Anda esquecido? Saiba quando é hora de se preocupar
Mortes vinculadas a Alzheimer aumentaram 55% em 15 anos nos EUA

Diante do achado, os cientistas injetaram a substância nos camundongos, fazendo com que a memória fosse restabelecida.

— O que descobrimos não significa a cura, mas uma estratégia para conter o avanço da doença. Também pode ser um indicador do Alzheimer, quando as perdas de função cognitiva ainda não são evidentes — disse ao jornal O Globo a coordenadora do estudo, Flavia Alcântara Gomes, do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ.

Flavia também destacou que os níveis de TGF-b1 eram baixíssimos em animais que servem de modelo para a doença, sinalizando um biomarcador importante para o diagnóstico precoce do Alzheimer. Além disso, a pesquisadora afirmou que a substância é bem conhecida e pode ser sintetizada.

Publicado no Journal of Neuroscience, o estudo contou também com os pesquisadores do Instituto de Bioquímica da UFRJ Sérgio Ferreira e Fernanda De Felice. 

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.