Luto

Cintia Moscovich sobre Suassuna: "Um gentil rapsodo"

Escritor de 87 anos sofreu AVC e passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu nessa quarta-feira

Atualizada em 23/07/2014 | 18h3923/07/2014 | 18h09

O escritor Ariano Suassuna, 87 anos, morreu nesta quarta-feira no Recife.
Relembre as principais obras do autor
Relembre as adaptações de obras de Suassuna para cinema e TV
As visitas de Ariano Suassuna ao RS

Um gentil rapsodo

Na década de 70, em pleno regime de exceção, parte de nossos intelectuais e artistas vivendo no exílio, Ariano Suassuna significou um legítimo farol não só em termos de manutenção da cultura popular, como na afirmação de uma — até então — pouco delineada identidade nacional. 

Mentor do Movimento Armorial, uma dessas iniciativas tão geniais quanto graciosas e que pretendia, segundo ele, “uma arte brasileira erudita a partir das raízes populares de nossa cultura”, Suassuna incendiou o imaginário de pelo menos duas gerações. Lutando contra a vulgarização das manifestações populares, pregava a integração de todas as artes, da literatura à tapeçaria, valorizando a tradição. Aqueles que, como eu, éramos adolescentes por essa época e vivíamos fora do eixo Rio-São Paulo (lembrando que as viagens eram caras e internet sequer se cogitava), descobrimos que, no nordeste do país, havia mais que berimbaus: do agreste e árido se levantavam, por exemplo, os acordes do Quinteto Armorial (e pouco depois do Quinteto Violado), que ao lado de instrumentos rústicos como a rabeca,  o pífano e a viola sertaneja, reunia violinos, flautas e violas. Era a coisa mais original que se havia escutado até então e, no entanto, era-nos tão familiar e tão brasileiro.

Como autor, Suassuna foi um gentil rapsodo, que reuniu várias histórias da literatura popular oral e as adaptou às formas eruditas. Seja como dramaturgo, a exemplo do que se passava n'O Auto da Compadecida, ou como romancista, notadamente em Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, nosso Ariano estabeleceu uma ponte entre o sertão mítico e o lendário ibérico, impregnando o conjunto de brejeirice e gravidade e fundando temas e arranjos híbridos que reuniam o melhor de dois mundos.

De personalidade boníssima, simpatia solar, lotando auditórios onde quer que se apresentasse, Suassuna deixa um legado de harmonia entre o folclórico, o popular e o erudito, um exemplo de amor à tradição, além de um tremendo apreço ao país e àquilo que há em nós de brasilidade.




VEJA TAMBÉM

     
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.