Sem margem de erros

"No futebol, cochilou, vai pagar", diz Renato, ao cobrar mais atenção dos jogadores do Grêmio 

Técnico exige atenção durante os 90 minutos nos jogos contra o Guaraní-PAR, pela Libetadores, e Novo Hamburgo, na semifinal do Gauchão

Por: Luís Henrique Benfica
18/04/2017 - 19h22min | Atualizada em 18/04/2017 - 21h47min
"No futebol, cochilou, vai pagar", diz Renato, ao cobrar mais atenção dos jogadores do Grêmio  Bruno Alencastro/Agencia RBS
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS  

O Grêmio esgotou contra o Novo Hamburgo a sua margem de erros.

A avaliação é do técnico Renato Portaluppi, que proíbe "cochilos" frente ao Guaraní-PAR, amanhã, em Assunção, pela Libertadores, e na segunda partida da semifinal do Gauchão, domingo, no Estádio do Vale, da qual sairá um finalista do Gauchão - o outro virá do confronto entre Caxias e Inter.

Apesar de reconhecer méritos no Iquique-CHI, e no Novo Hamburgo, Renato destacou que os três gols sofridos por seu time nas duas últimas partidas decorreram de erros.

Com pouco tempo de treinamento entre domingo e terça, dia da viagem a Assunção, ele disse ter se ocupado mais de alertar seus jogadores quanto às consequências de falhas nas próximas partidas.

- Faltou foco. Não tiramos os méritos do adversário, pelo contrário. Mas os três gols que tomamos foram por falhas nossas. Temos que ter atenção total durante os 90 minutos - cobrou.

Leia mais:

Ao projetar os jogos da semana, ele disse que contra o Guaraní o objetivo será assumir a liderança do grupo 8 da Libertadores e aumentar a pontuação a ponto de garantir vantagens nas próximas fases.

Já contra o Novo Hamburgo, a responsabilidade é bem maior.

- Agora, é matar ou morrer. Se o Grêmio não conseguir seu objetivo domingo, estará fora do campeonato - lembrou.

Contra o Novo Hamburgo, nem chegou a se tratar de um "nana, nenê", expressão utilizada por Renato para explicar a queda de produção que permitiu ao Iquique marcar dois gols em um intervalo de somente sete minutos. 

Bastaram 30 segundos, conforme o técnico, para ceder ao adversário a vantagem para o jogo de volta.

- No futebol, cochilou vai pagar pelo cochilo. Não pode cochilar nem 15 minutos, nem 45 minutos, nem 30 segundos. Enquanto o juiz não apitar, o jogo não acabou - ensina o técnico.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.