Bastidores

Guto pode ser demitido do Inter mesmo com vitória sobre o Oeste, e nome de Dunga ganha força

Apesar de a direção ter assegurado a permanência do treinador, jogo desta terça-feira pode marcar o fim do projeto de Guto no Beira-Rio

23/07/2017 - 07h00min | Atualizada em 23/07/2017 - 07h00min
Guto pode ser demitido do Inter mesmo com vitória sobre o Oeste, e nome de Dunga ganha força Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS  

Guto Ferreira segue técnico do Inter. Mas, ao que tudo indica, por muito pouco tempo. Mesmo que o Inter vença o Oeste, nesta terça-feira, no Beira-Rio, há fortes indícios da demissão do treinador. 

Logo após a nova derrota fora de casa, desta vez para o Vila Nova, o presidente colorado Marcelo Medeiros e o vice de futebol Roberto Melo foram pressionados, por telefone, a trocar uma vez mais a comissão técnica. Conselheiros e ex-dirigentes do clube sugeriam a troca imediata no comando. A direção, que demitiu Antônio Carlos Zago com 58% de aproveitamento, não teve forças para mandar um segundo treinador embora, com 50 dias de trabalho, e com um aproveitamento ainda menor que o do seu antecessor: 51%.

Leia mais:
Confira a tabela de classificação da Série B
Ouça a narração do gol do Inter na derrota por 2 a 1 para o Vila Nova
Cotação ZH: veja as notas dos jogadores do Inter na derrota para o Vila Nova

O nome de Dunga ganha força nos bastidores do Inter. O tetracampeão foi técnico do Inter em 2013, contratado pelo então diretor de futebol Marcelo Medeiros. E, internamente, há uma certeza no Beira-Rio: Dunga é o tipo de técnico que blinda jogadores e vestiário, fazendo os atletas "jogarem por ele" — algo que parece distante da realidade de Guto.

Mas a possível mudança no Inter — mesmo que vença o Oeste, um adversário que foi goleado pelo time de Zago por 4 a 1, em fevereiro — não se resumiria ao lugar comum da demissão do técnico. Assim como ocorreu no ano passado, uma Swat seria chamada. Mas não tão drástica como a comitiva montada em 2016. Agora, um dirigente mais experiente passaria a trabalhar ao lado do vice de futebol, Roberto Melo, algo semelhante ao que foi feito em 2008, quando Tite foi contratado para treinar o Inter e Fernando Carvalho voltou ao clube par auxiliar o então vice Giovanni Luigi.

Depois de uma demora superior a 30 minutos para se dirigir às entrevistas de pós-derrota, Melo e Medeiros caminharam até os repórteres, no Serra Dourada com portões fechados — devido à punição pela briga entre as torcidas de Vila Nova e Goiás. Melo concedeu entrevista. Medeiros fez apenas um pronunciamento. Melo foi nada convicto ao garantir a permanência de Guto:

— Guto continua, né? Temos dois jogos importantíssimos no Beira-Rio (Oeste e Goiás, com Argel Fucks). Vai seguir porque a gente entende que ele também pode dar um pouco mais. Não vejo como correta essa mudança. A mudança da comissão técnica ainda não surtiu o efeito que esperávamos e há jogadores que ainda estão chegando.

Já Medeiros, que não respondeu a qualquer pergunta, disse:

— Foi perguntado sobre o resultado na terça. Pois ele vai ter de ser conquistado com muito esforço, muito suor e com todo mundo se dedicando um pouco mais. Futebol é avaliado pelo resultado. Mas resultado é fruto de desempenho. Fizemos bons jogos contra o Ceará, lutamos muito no jogo do Beira-Rio (contra o Luverdense) e, hoje (sábado), apesar de ter sofrido um gol, lutamos e não conseguimos o raciocínio para manter o resultado. A indignação da torcida é procedente, nós também estamos indignados com o desempenho, a comissão está buscando a sua melhor forma para jogar, mas vai ter de ser na força, na marra, na garra. E temos de contar com a paciência, apoio. Nestes dois jogos no Beira-Rio, já conquistando uma vitória, podemos dar um passo importante para subir.

Guto Ferreira não tem sido feliz nas suas entrevistas. Depois de criticar publicamente Nico López, logo em um de seus primeiros jogos, em Goiânia, o treinador acabou tecendo críticas à direção, ao responder sobre a má campanha do Inter na Série B, se comparada a outros grandes que passaram apenas uma temporada na Segunda Divisão.

— Nessa velocidade, a equipe do Inter deveria ter vindo pronta do Estadual. Não era uma equipe totalmente pronta. Em outros clubes, quando caíram, a remontagem da equipe foi rápida. E o Inter, que caiu do ano passado, tem apenas dois titulares (Danilo Fernandes e Rodrigo Dourado) — comentou Guto Ferreira, ainda treinador do Inter.

Diante do Oeste, o Inter não terá Cláudio Winck, Victor Cuesta e Rodrigo Dourado, todos suspensos. O meia Camilo, recém-contratado ao Botafogo, poderá estrear, caso o seu nome surja no BID até o final da segunda-feira. O certo é que o Beira-Rio viverá mais uma noite de tensão e, possivelmente, de nova troca de técnico. 

Leia outras notícias sobre o Inter

Acompanhe o Inter no Colorado Gaúcha ZH. Baixe o aplicativo:

Android

iOS

*ZHESPORTES

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.