Escândalo da Fifa

Ex-presidente da CBF, Marin pode pegar até 60 anos de prisão

Dirigente tentava anular acusação de associação, mas pedido foi negado pela Justiça dos EUA. Julgamento deve ocorrer em novembro deste ano

21/02/2017 - 15h45min | Atualizada em 21/02/2017 - 15h45min
Ex-presidente da CBF, Marin pode pegar até 60 anos de prisão Jose Maria Marin/Heuler Andrey
Foto: Jose Maria Marin / Heuler Andrey  

Ex-presidente da CBF, José Maria Marin pode pegar uma pena de até 60 anos de prisão por conta do escândalo de corrupção que atingiu a Fifa, em 2015. O período em que o dirigente pode ficar preso foi mantido após a Justiça dos Estados Unidos negar, nesta semana, um pedido da defesa de Marin de anular a acusação de associação com outros integrantes da Fifa, crime mais grave que o dirigente brasileiro é acusado. As informações são do GloboEsporte.com.

O recurso em relação a essa acusação foi apresentado pela defesa de Marin no mês de novembro do ano passado e recusado nesta semana pela juíza Pamela K. Chan, do Tribunal Federal do Brooklun. O ex-presidente da CBF aguarda o julgamento do caso em prisão domiciliar nos Estados Unidos desde 2015, ano em que estourou o escândalo da Fifa após investigações em conjunto entre órgãos dos Estados Unidos e da Suíça.

Leia mais:
Porto e Juventus colocam Casillas e Buffon à prova
Ribéry volta a treinar no Bayern de Munique
Sevilla busca classificação inédita na Liga dos Campeões

Junto com o recurso negado a Marin, a Justiça dos Estados Unidos também manteve todas as acusações contra o ex-presidente da Conmebol Juan Angel Napout. O cartola paraguaio alegava que não havia cometido crimes nos Estados Unidos, país onde também cumpre prisão domiciliar e aguarda julgamento, que está previsto para ocorrer em novembro deste ano.

*LANCEPRESS

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.