Versão mobile

Opinião

Luiz Antônio Araujo: viva o 26 de junho

Casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado pela Suprema Corte dos EUA nesta sexta-feira

Por: Luiz Antônio Araujo
26/06/2015 - 20h53min
Luiz Antônio Araujo: viva o 26 de junho Mark Wilson/AFP/GETTY IMAGES NORTH AMERICA
Casais comemoram em frente à Suprema Corte, onde decisão foi tomada nesta sexta Foto: Mark Wilson/AFP / GETTY IMAGES NORTH AMERICA  

Num artigo que passou injustamente despercebido, o cientista político Francis Fukuyama lamentou, em outubro do ano passado, que os Estados Unidos tenham se tornado um "Estado de tribunais e partidos". Com essa definição, ele pretendeu designar um regime democrático que falhou "em se adaptar a circunstâncias externas cambiantes, seja em razão de inflexibilidades intelectuais ou da capacidade das elites no poder de proteger suas posições e bloquear a mudança". O texto, intitulado América em Decadência, apareceu na prestigiosa revista americana Foreign Affairs.

Direitos homossexuais ganham o mundo
Em 2012, Suprema Corte dos EUA aceita discutir casamento gay

A fim de ilustrar sua tese, Fukuyama – mais conhecido por ter dito nos anos 1990 que a queda do Muro de Berlim representava o "fim da história", impressão prontamente desmentida pelos fatos – lançou mão de um exemplo mundialmente famoso: o fim das leis de segregação racial. O primeiro passo nessa direção, lembrou, foi uma decisão da Suprema Corte, em 1954, em favor de um pequeno grupo de pais e filhos que tinham o acesso à educação pública negado com base em critérios de cor de pele.

"O que é notável", escreveu Fukuyama, " é que uma das mais importantes mudanças nas políticas públicas americanas começou não porque o Congresso como representante do povo americano aprovou-a, mas porque indivíduos litigaram por meio do sistema judicial para mudar as regras".



Basta substituir a expressão "fim da segregação" por "casamento gay" para perceber que o estado de coisas descrito por Fukuyama está em pleno vigor. No Brasil, com sua democracia infinitamente mais disfuncional que a americana, é provável que a revolução nos direitos civis representada pelo movimento LGBT tenha de seguir o mesmo caminho. Não há outro jeito de contornar a muralha medieval erguida no Congresso por evangélicos e conservadores de todas as plumagens.

Saiba como ativar o filtro colorido na sua foto de perfil no Facebook
Em 2013, CNJ aprovou conversão de união estável gay em casamento civil
Leia mais notícias do mundo


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.