Resultado

Desemprego chega a 13,5 milhões de pessoas e atinge novo recorde no Brasil

Taxa de desocupação de 13,2% é a mais elevada desde o início da série histórica do IBGE, em 2012

Por: Estadão Conteúdo e Zero Hora
31/03/2017 - 09h20min | Atualizada em 31/03/2017 - 13h43min
Desemprego chega a 13,5 milhões de pessoas e atinge novo recorde no Brasil Jessé Giotti/
Foto: Jessé Giotti  

O desemprego no Brasil voltou a subir e atingiu a marca recorde de 13,547 milhões de pessoas no trimestre encerrado em fevereiro. É o número mais elevado de desempregados no país desde o início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 2012. A taxa de desemprego de 13,2% também é a mais alta já registrada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

O resultado significa que há mais 3,176 milhões de desempregados em relação a um ano antes , o equivalente a um aumento de 30,6%. Ao mesmo tempo, o total de ocupados caiu 2% no período de um ano, representando o fechamento de 1,788 milhão de postos de trabalho.

Leia mais
Inflação do aluguel sobe 0,01% em março
Vendas do varejo caem 7% em janeiro, revela IBGE
Fim das desonerações preocupa empresários do Rio Grande do Sul

A taxa de desemprego só não foi mais elevada porque 730 mil brasileiros migraram para a inatividade no período de um ano. O aumento na população que está fora da força de trabalho foi de 1,1% no trimestre encerrado em fevereiro ante o mesmo período de 2016.

O nível da ocupação, que mede o porcentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 53,4% no trimestre até fevereiro, o mais baixo de toda a série histórica.

A renda média real do trabalhador foi de R$ 2.068 no trimestre até fevereiro. O resultado representa estabilidade em relação ao mesmo período do ano anterior. A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 180,2 bilhões no trimestre até fevereiro, estável ante igual período do ano anterior.

Desde janeiro de 2014, o IBGE passou a divulgar a taxa de desocupação em bases trimestrais para todo o território nacional. A pesquisa substituiu a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrangia apenas as seis principais regiões metropolitanas, e também a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) anual, que produzia informações referentes somente ao mês de setembro de cada ano.

Carteira assinada

O mercado de trabalho brasileiro perdeu 1,134 milhão de vagas com carteira assinada no período de um ano. O total de postos de trabalho formais no setor privado encolheu 3,3% no trimestre encerrado em fevereiro de 2017, ante o mesmo período do ano anterior, segundo os dados da Pnad Contínua.

Já o emprego sem carteira no setor privado teve aumento de 5,5%, com 531 mil empregados a mais. O total de empregadores cresceu também 9,5% ante o trimestre encerrado em fevereiro de 2016, com 359 mil pessoas a mais. O trabalho por conta própria encolheu 4,8% no período, com 1,129 milhão de pessoas a menos nessa condição.

Houve redução ainda de 161 mil indivíduos na condição do trabalhador doméstico, 2,6% de ocupados a menos nessa função. A condição de trabalhador familiar auxiliar também encolheu, -2,9%, com 66 mil ocupados a menos.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.