Política

Novo líder do PMDB tentou beneficiar shopping em MP

Leonardo Quintão está no terceiro mandato e já chamou a atenção dos seus pares por apresentar iniciativas polêmicas

12/12/2015 - 11h54min
Novo líder do PMDB tentou beneficiar shopping em MP Lucio Bernardo Junior/Agência Câmara
Foto: Lucio Bernardo Junior / Agência Câmara  
Novo líder da bancada do PMDB na Câmara, o deputado Leonardo Quintão (MG) está no terceiro mandato e já chamou a atenção dos seus pares por apresentar iniciativas polêmicas. Recentemente, tentou beneficiar um shopping com um empréstimo milionário do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o que causou perplexidade em outros parlamentares.

Aos 40 anos, Quintão foi alçado na última quarta-feira à liderança do PMDB, com o apoio de 35 colegas, em uma manobra para destituir Leonardo Picciani (RJ), aliado da presidente Dilma Rousseff que pretendia indicar somente governistas para a comissão especial de impeachment.

O deputado mineiro é próximo do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), e do vice-presidente Michel Temer (SP), e contou com o apoio de ambos para chegar à liderança. Em um dos seu primeiros atos, foi até o Conselho de Ética da Câmara para defender Cunha no processo que pode culminar na cassação do seu mandato.

A proximidade com Cunha não é de hoje. O peemedebista fluminense indicou Quintão para ser o relator da medida provisória 661, de 2014, que chegou ao plenário da Câmara para votação em 9 de abril de 2015. De autoria do Executivo, a iniciativa autorizava o governo a capitalizar o BNDES em R$ 30 bilhões, com recursos do Tesouro.

Leia todas as notícias sobre Eduardo Cunha

PMDB tira aliado de Dilma da liderança da bancada na Câmara


No trecho final do seu voto, Quintão acrescentou um parágrafo que determinava o empréstimo de R$ 50 milhões em favor “das vítimas do incêndio ocorrido no Shopping Nova América”, no Rio. Em fevereiro de 2015, as chamas danificaram 20% do prédio, mas ninguém morreu ou saiu ferido. As “vítimas” citadas por Quintão, que seriam contempladas com o financiamento de R$ 50 milhões, eram os proprietários do shopping e os lojistas.
 
PATRIMÔNIO DE QUINTÃO CRESCEU 584% DESDE 2010
 
O relator tentou incluir a operação dentro do Programa BNDES Emergencial de Reconstrução de Municípios Afetados por Desastres Naturais, acionado para socorrer Estados e municípios em caso de enchentes, danos ambientais e vendavais, entre outros.
 
Já com a votação em andamento, alguns deputados passaram a se manifestar contra a intenção de Quintão.
 
– Isso é um escândalo. Primeiro, o shopping é privado. Segundo, o shopping tem evidentemente um seguro. Terceiro, você não pode pegar uma MP que trata de empréstimos para prefeituras e autorizar para empresas privadas. O erro é ter a ousadia de colocar um absurdo desse numa medida que trata de desastres naturais – disse, à época, o deputado Silvio Costa (PT do B-PE).
 
Nos bastidores, chamava a atenção o fato de Quintão, representante de Minas Gerais, estar fazendo generosa iniciativa em favor de um shopping carioca. Nos debates em plenário, quando deputados pediram a derrubada da sessão para analisar o caso, quem fez a defesa da continuidade da votação foi justamente o presidente da Câmara, eleito pelo Rio.
 
– Ao longo de minha vida pública como deputado federal, nunca vi ser aprovada uma lei em que conste um artigo ou um parágrafo que obrigue a concessão de empréstimo a uma empresa específica. Isso desmoraliza o parlamento – afirmou o deputado Mendonça Filho (DEM-PE), conforme registro taquigráfico, pedindo a paralisação da sessão.
 
Cunha respondeu:
 
– A derrubada da sessão implica, mesmo quando retornar, prosseguirmos do mesmo estágio em que se encontra, não altera o estágio. Se porventura for aprovado, o Senado terá oportunidade de corrigir, se for esse o entendimento. Mas temos que ser escravos do regimento. Não posso admitir destaque neste estágio – disse Cunha, impedindo alterações no texto e determinando a continuidade da apreciação.
 
No final, uma mobilização do plenário de diversos deputados forçou a derrota da sugestão de Quintão de assegurar R$ 50 milhões do BNDES ao Shopping Nova América.
 
O patrimônio do deputado registra evolução de 584%. Em 2010, ele declarou à Justiça Eleitoral ter bens de R$ 2,6 milhões. Quatro anos mais tarde, em 2014, o total havia pulado para R$ 17,8 milhões. As posses foram incrementadas por uma casa avaliada em R$ 10 milhões em um condomínio. Ainda declarou, na última eleição, ter R$ 2,6 milhões em espécie.
 
No pleito de 2014, Quintão contou com arrecadação de R$ 4,9 milhões. Na lista dos seus gastos, consta um exército eleitoral. Por mais de 1,3 mil vezes, fez pagamentos para contratar cabos eleitorais sob a rubrica “atividades de militância e mobilização de rua”. Entre os principais doadores da campanha do peemedebista, estão empresas mineradoras e siderúrgicas, responsáveis por repassar R$ 1,4 milhão ao deputado. Quintão tornou-se relator do Código de Mineração, ainda em discussão, e passou a ser acusado por ambientalistas de flexibilizar as regras atuais.
 
*Colaborou Guilherme Mazui
 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.