Enchentes 

Mesmo com a diminuição das chuvas, cheia dos rios preocupa Defesa Civil 

Alagamentos causados pelas altas nos rios devem seguir atingindo municípios gaúchos pelo menos até o próximo sábado 

19/10/2016 - 15h32min | Atualizada em 19/10/2016 - 15h56min
Mesmo com a diminuição das chuvas, cheia dos rios preocupa Defesa Civil  Tadeu Vilani/Agencia RBS
Em Montenegro, cheia do Rio Caí alagou diversas regiões da cidade, obrigando pelo menos 70 pessoas a saírem de suas casas Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Nem sempre depois da tempestade vem a calmaria. Mesmo com a previsão de melhora no tempo em todo o Estado a partir desta quinta-feira, a preocupação com os estragos causados pelos temporais que atingem o Rio Grande do Sul desde o último domingo deve seguir — e até se intensificar — pelo menos até o próximo sábado. 

Isso porque o nível dos rios Caí e Taquari devem permanecer bem acima do normal, o Rio dos Sinos já atingiu o nível de transbordamento, e o Jacuí pode alcançar os níveis de alerta, afetando principalmente a Região Metropolitana.

— Como o solo está muito saturado e não absorve a água da chuva, acredito que nos próximos dias alguns rios continuem a subir, e aqueles que já estão muito altos demorem a baixar. As famílias que deixaram suas casas não vão conseguir logo. Talvez mais pessoas sejam afetadas — explica o Tenente-coronel Alexandre Martins, chefe da Defesa Civil Estadual.

Leia mais:
Chega a 50 o número de municípios atingidos pelos temporais no Estado 
São Sebastião do Caí decreta emergência após rio transbordar 
Na cheia do Rio Caí, duas famílias e um desejo: voltar para casa

Temporal causa bloqueios em rodovias do RS 

Uma das áreas que deve ganhar mais atenção nos próximos dias é a Região Metropolitana, devido à possibilidade de aumento do nível do Guaíba principalmente na região das ilhas da Capital. Segundo Martins, a bacia do Jacuí, que é o maior alimentador do Guaíba, ainda não atingiu o nível de alerta, mas segue subindo:

— O aumento no nível não depende somente da chuva, mas também dos ventos. É preciso observar como o clima irá se comportar nos próximos dias para ver o que vai acontecer. O que se pode dizer com mais certeza é que a normalidade só vai voltar a partir de sábado em toda a Região Metropolitana.

A última medição realizada pela Defesa Civil no Guaíba, em Porto Alegre e na Ilha da Pintada durante a manhã de quarta-feira, apontou 80cm - a altura de alerta é 1m80cm. Já o Rio Jacuí, que tinha registrado uma altura de 3,8m na tarde de quinta, registrou 5,6m na manhã de quarta. O nível de alerta, entretanto, é de 9m32cm.

Rio Taquari já atinge Lajeado e outros municípios

A região do Vale do Taquari já começou a sentir os efeitos do aumento do Rio Taquari, que alcançou, na manhã desta quarta-feira, o nível de 21m55cm — quase 10m acima do normal, e 5m acima do nível de alerta.

Conforme o major Ricardo Accioly Gerhard, coordenador da região 8 da Defesa Civil, 19 famílias já estão desabrigadas em Lajeado, e uma desalojada em Estrela.

— A situação está mudando com muita frequência, e há uma grande possibilidade de que o nível siga aumentando devido à grande quantidade de água que desce pelo rio — explica.

O alerta está também nos municípios de Cruzeiro do Sul, Taquari e Triunfo, que podem sofrer com alagamentos.

Em Novo Hamburgo, novas ameaças

As cerca de 150 pessoas que foram desabrigadas ou desalojadas na terça-feira devido à cheia do arroio Gauchinho, em Novo Hamburgo, já retornaram às suas casas, mesmo com a permanecia dos alagamentos. Entretanto, conforme o major Alexsandro Goi, coordenador da Região Metropolitana e Litoral da Defesa Civil, isso não é um sinal de que a situação está se estabilizando na cidade:

— A principal ameaça agora é o Rio dos Sinos, que já atingiu o nível de alerta, e que é abastecido pelas águas do Caí, Jacuí, e demais afluentes vindos do norte do Estado.

Conforme a última medição, realizada na manhã de quarta-feira, o rio já havia alcançado 6m31cm - mais de 2m acima do nível normal, e mais de 1m acima do nível de alerta.

Tensão e alerta seguem nas margens do Rio Caí

Após alcançar o assustador nível de 14m66cm na região - mais de 12m acima do nível normal e se aproximando pela primeira vez dos 14m85cm de 2011, quando foi registrado o maior índice histórico —, o Rio Caí começou a baixar na manhã desta quarta-feira. Conforme o Tenente-coronel Alexandre Martins, chefe da Defesa Civil Estadual, a situação já está se estabilizando na região, mas ainda é preocupante:

— A altura do rio chegou ao dobro do nível de alerta, e está baixando muito lentamente. A previsão é que a situação volte ao normal somente no sábado, mas isso depende ainda da quantidade de chuva que vai cair nos próximos dias.

Na manhã de quarta-feira, conforme a medição da defesa civil, a altura estava em 13m50cm. Segundo Martins, a preocupação é grande pois há uma formação de nuvens carregadas bem em cima do Rio Caí, especialmente na região dos Vales, o que pode fazer com que os níveis do rio voltem a aumentar.

Na manhã de quarta-feira, São Sebastião do Caí decretou situação de emergência. Conforme a Defesa Civil, 210 pessoas seguem desabrigadas, aguardando a água baixar em casa de parentes e abrigos. Ao todo 2,3 mil casas foram alagadas, porém, nem todas as 4 mil pessoas precisaram sair das residências.

As cheias do Rio Caí afetam também Montenegro, onde 72 pessoas tiveram que sair de casa e estão abrigadas no Parque Centenário. Bom Princípio, Feliz, Vale Real, Harmonia e outros municípios também enfrentam estragos em função da cheia do rio. Porém, com menores prejuízos.

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.