Saúde

Rio Grande do Sul perde 474 leitos do SUS em hospitais em dois anos

Desde 2015, Estado voltou a registrar queda no número de vagas de internação, em razão da falta de recursos financeiros

11/01/2017 - 22h20min | Atualizada em 11/01/2017 - 22h35min
Rio Grande do Sul perde 474 leitos do SUS em hospitais em dois anos Omar Freitas/Agencia RBS
Só na Santa Casa de Porto Alegre, 112 vagas foram reduzidas, o que agrava superlotação do setor de emergências Foto: Omar Freitas / Agencia RBS  

Em dois anos, o Rio Grande do Sul perdeu 474 leitos hospitalares reservados a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) — uma média de 20 por mês. Efeito colateral da crise financeira dos hospitais, a situação acaba por afetar quem mais precisa de amparo: a população carente, que não tem plano privado e não pode pagar pelo serviço.

De acordo com a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Estado, cada leito contempla, em média, seis pacientes por mês. Com a redução, estima-se que 2,8 mil pessoas deixaram de ser internadas mensalmente.

Leia mais
Santa Casa de Porto Alegre fechou 112 leitos do SUS em dois anos
60% dos hospitais filantrópicos do RS dizem que não conseguirão pagar em dia a folha de dezembro
Hospitais que atendem pelo SUS agonizam no Estado 
Reportagem mostra fraude na fila do SUS em troca de votos

Em novembro de 2014, segundo dados do DataSUS, do Ministério da Saúde, o Estado contabilizava 24.082 vagas do tipo, um recorde em comparação com os quatro anos anteriores. A partir daí, os registros começaram a cair, passando a 23.608 em novembro de 2016, última informação disponível. Embora o número supere o registrado em 2010, quando havia 22,8 mil leitos, a tendência de queda é motivo de preocupação. Só a Santa Casa de Porto Alegre perdeu mais de uma centena.

Atraso em repasses obrigou redução no atendimento

Parte da explicação para o problema está nos cerca de R$ 180 milhões que os hospitais filantrópicos — responsáveis por atender 70% do SUS no RS — esperam do Piratini desde o ano passado. A situação foi agravada, segundo o presidente da federação das Santas Casas, André Lagemann, porque o governo de José Ivo Sartori suspendeu o repasse de outra verba, o incentivo hospitalar.

— O cenário é preocupante. Fizemos empréstimos para cobrir despesas e não temos mais margem. Infelizmente, quem mais sofre com isso é a população — diz Lagemann.

Para cortar custos, diretores e administradores hospitalares passaram a restringir o atendimento. Foi o que fez Celso Teixeira, responsável pelo Hospital Santa Bárbara, de Encruzilhada do Sul, no Vale do Rio Pardo, que chegou a fechar as portas por 15 dias em 2016. Única no município de 25,8 mil habitantes, a instituição cortou oito dos 60 leitos e limitou exames pelo SUS, entre os quais mamografias (de 300 para 90 por mês) e tomografias (de 150 para 50 mensais).

— É de chorar. Em 2016, entramos na Justiça contra o Estado e conseguimos liminar obrigando o governo a pagar os valores em atraso, só que, desde dezembro, nem isso está sendo cumprido — lamenta Teixeira.

A Santa Casa de Uruguaiana, na Fronteira Oeste, cortou 15% dos exames eletivos (não urgentes) e diminuiu em 20% os 230 leitos dedicados ao SUS, mas, dependendo das circunstâncias, a medida é revista.

— Somos o único hospital da cidade e a referência para a região. A demanda é muito grande, e é comum superlotar o pronto-socorro. Mesmo que tente reduzir, tenho dificuldade e volto a utilizar 100% da estrutura — relata Geovane Cravo, diretor do estabelecimento.

Secretário descarta retomar incentivo dado por tarso

Na prática, o número total de vagas fechadas no período, conforme o presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Paulo de Argollo Mendes, é maior do que o registrado, porque nem todos os casos estão no DataSUS. Outro reflexo da penúria financeira são os atrasos nos salários de profissionais da saúde.

— Temos médicos no Interior que não recebem há meses, e é evidente que isso afeta qualidade do trabalho, tanto quanto a redução de leitos — afirma Argollo.

Embora concorde que o cenário é grave, o professor de Administração Pública da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Álvaro Guedes faz uma ponderação. Na avaliação dele, muitos hospitais demoraram a realizar os ajustes necessários para adequar seus custos ao contexto de crise, o que inevitavelmente resultaria em cortes de pessoal e, por consequência, de serviços:

— A perda de leitos é grave e exige uma ação de enfrentamento, mas não adianta apenas culpar o governo.

Secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis disse ontem que se reunirá amanhã com o titular da Fazenda, Giovani Feltes, para tratar do orçamento de 2017 e buscar soluções. Gabbardo reconhece os problemas, mas argumenta que o Estado enfrenta sérias dificuldades financeiras. Não está no horizonte do governo, segundo ele, voltar a pagar o incentivo hospitalar, criado na gestão de Tarso Genro (PT). O secretário afirma que tanto esse recurso quanto os repasses pendentes são complementares aos valores transferidos pelo Ministério da Saúde, que estão em dia:

— Estamos fazendo o possível diante da queda na arrecadação, mas os hospitais elevaram muito os custos nos últimos anos, criando novas despesas. Eles precisam se adequar à realidade. Infelizmente, não existe mágica.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.