Espírito Santo

PMs começam a se apresentar para o trabalho em Vitória

Sem farda, policiais se concentraram na Praça do Papa, Praça Oito e na rodoviária da capital capixaba

Por: Guilherme Mazui - Vitória (ES)
11/02/2017 - 17h33min | Atualizada em 11/02/2017 - 20h12min
PMs começam a se apresentar para o trabalho em Vitória Secretaria de Segurança do ES / Divulgação/Divulgação
Foto: Secretaria de Segurança do ES / Divulgação / Divulgação  

Diante de um chamado do Comando Geral da Polícia Militar do Espírito Santos, grupos de policiais se apresentaram na tarde deste sábado para o trabalho em áreas do centro de Vitória. Com o movimento, governo capixaba espera que a greve seja encerrada em breve.

A chamada geral feita à tropa determinou o retorno do policiamento ostensivo a pé em locais determinados da Grande Vitória. A Secretaria de Segurança do Espírito Santo ainda não informou quantos PMs se apresentaram e quantos seguem aquartelados.

Segundo a Secretaria de Segurança do Estado, a greve não terminou. Além de Vitória, a secretaria informa que policiais se apresentaram em Cariacica, Serra, Vila Velha e Cachoeiro de Itapamerim. Ao todo, 600 homens — em um total de 10 mil — voltaram ao trabalho. A maioria deles são oficiais.

Leia também:
Ministros garantem que base do governo Temer não apoiará anistia de PMs 
PGR estuda possibilidade de requerer a federalização do crime de motim
Manutenção da greve no Espírito Santo preocupa governo federal
 

Sem farda, os PMs estão em locais como a Praça do Papa, Praça Oito e rodoviária da capital capixaba. Eles aguardam as instruções dos comandantes. Já um pequeno grupo de PMs que tinha as fardas em casa saiu para realizar o policiamento na área central de Vitória. Poucas viaturas começam a ser vistas nas ruas.

Os PMs convocados estavam de folga ou férias e poderiam sofrer punições caso descumprissem a ordem, considerada um ultimato para que a greve da categoria tenha fim, bem como os acampamentos de mulheres e esposas de policiais em frente aos batalhões e companhias. Por ora, o piquete instalado no quarto do Comando Geral não foi desfeito.

Esposa de PM e uma das líderes do acampamento próximo ao quartel do Comando Geral, Ordilene Martins garante que o movimento não terminou.

— Poucos policiais militares se apresentaram, a maioria segue parada. Como o governo do Estado e os ministros não conversaram com a gente, não vamos sair da frente dos batalhões  — disse.

Neste sábado, ações dos governos estadual e federal tentaram acelerar o final da greve. Quatro ministros foram enviados pelo presidente Michel Temer ao Espírito Santo para discutir uma saída para a crise. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também esteve no Estado. Ele anunciou que avalia federalizar os processos contra PMs por motim ou revolta, que tramitariam na Justiça Militar da União.

Já a comitiva de ministros anunciou que as tropas federais ficarão na Grande Vitória o tempo que for necessário até o final da paralisação. A Polícia Federal vai investigar os grevistas e a base de Temer do Congresso será mobilizada para não aprovar uma eventual anistia aos PMs.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.