No lugar de Moraes

Carlos Velloso aceita convite para assumir Ministério da Justiça, diz jornal

De acordo com o jornal Valor Econômico, anúncio do novo comando da pasta será feito apenas depois da sabatina de Alexandre de Moraes, prevista para a próxima terça-feira

Por: Estadão Conteúdo
16/02/2017 - 14h42min | Atualizada em 16/02/2017 - 14h42min
Carlos Velloso aceita convite para assumir Ministério da Justiça, diz jornal Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ex-ministro do STF Carlos Velloso Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil  

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso aceitou, na quarta-feira, o convite do presidente Michel Temer para assumir o Ministério da Justiça. De acordo com o jornal Valor Econômico, o anúncio do novo ocupante do cargo será feito apenas depois da sabatina de Alexandre de Moraes no Senado, prevista para ocorrer na próxima terça-feira.

Leia mais
"Lava-Jato é intocável", diz ex-ministro do STF favorito para a Justiça
Temer diz que vai seguir conversando com Carlos Velloso, cotado para o Ministério da Justiça
Escolha de ministro da Justiça não terá conotação partidária, diz Temer

Por outro lado, o nome do peemedebista José Mariano Beltrame vem perdendo força para assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública. Também segundo o Valor, Temer busca um nome para o comando da área, que é vinculada ao Ministério da Justiça. O PMDB começou a mudar o discurso e dar a entender que não teria interesse na pasta. Ao Valor, uma liderança da bancada chegou a afirmar que o Ministério da Justiça "traz mais problema que prestígio".

Amigo de Aécio

Indicado ao Ministério da Justiça, Velloso é amigo e atua como advogado do presidente do PSDB, senador Aécio Neves, de quem não cobra honorários nos dois inquéritos a que o tucano responde perante o Supremo Tribunal Federal como desdobramento da Operação Lava-Jato.

Velloso afirma que os casos em que atua para Aécio não têm relação com a Lava-Jato. "Fui amigo de Tancredo Neves, avô de Aécio, e de Aécio Cunha, pai de Aécio. E sou amigo de Aécio desde os seus 22 anos, quando o conheci, em Belo Horizonte. Sou seu advogado nesses dois casos, em razão dessa amizade. Mais até como conselheiro", afirmou Velloso, por e-mail, à reportagem do jornal O Estado de S.Paulo. Ele admitiu ainda atuar para o tucano sem cobrar nada.

As duas investigações contra Aécio têm origem na delação premiada do ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT e ex-PSDB, atualmente sem partido) que foi preso em novembro de 2015 acusado de tramar contra a Lava-Jato. Para se livrar da cadeia, Delcídio fez delação premiada.

Lava-Jato

Além de Aécio, Velloso tem como cliente um deputado investigado no âmbito da Operação Zelotes. Em relação à Lava-Jato, contudo, o ex-presidente do STF diz que nunca atuou para os investigados da operação.

Ele conta que chegou a ser procurado por outro advogado que atua no caso para emitir um parecer. "Cheguei a ser procurado, logo no início, por mais de um advogado, a fim de estudar a possibilidade de emitir parecer. Em razão do sigilo profissional, só posso dizer-lhe que não emiti nenhum parecer em caso da Lava-Jato", disse.

Caso assuma o Ministério da Justiça, Velloso terá que deixar de atuar como advogado, seguindo o Estatuto da Advocacia. "Sou advogado, na companhia de outros advogados, de um advogado, que é deputado, num caso da denominada Operação Zelotes, em curso no Supremo Tribunal Federal, ora distribuído ao ministro Ricardo Lewandowski. Aceitando assumir o Ministério da Justiça, me afastarei do caso, na forma do Estatuto da OAB".

Leia as últimas notícias de Política

*com informações do Valor Econômico e Estadão Conteúdo

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.