Investigado em três inquéritos

José Otávio Germano é alvo de nova denúncia na Lava-Jato

Parlamentar é acusado de corrupção passiva qualificada, por supostamente ter pago R$ 200 mil em espécie a Paulo Roberto Costa

Por: Fábio Schaffner
17/04/2017 - 20h27min | Atualizada em 17/04/2017 - 20h40min
José Otávio Germano é alvo de nova denúncia na Lava-Jato Reinaldo Ferrigno/Agência Câmara
Foto: Reinaldo Ferrigno / Agência Câmara  

Investigado em três inquéritos da Operação Lava-Jato, o deputado José Otávio Germano (PP-RS) foi alvo de nova denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR). O parlamentar é acusado de corrupção passiva qualificada, por supostamente ter pago R$ 200 mil em espécie ao então diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Além de Germano, é investigado no mesmo inquérito o deputado Luiz Fernando Ramos Farias (PP-MG). Além da condenação, a PGR pede que os dois deputados percam o mandato e devolvam R$ 1 milhão aos cofres públicos — R$ 200 mil por danos materiais e R$ 800 mil por danos transindividuais.

Segundo o procurador-geral, Rodrigo Janot, o dinheiro teria sido entregue a Costa em retribuição a favorecimentos da Petrobras à empresa Fidens Engenharia em contratos e obras na estatal. De acordo com a denúncia, os deputados agendaram reunião com o diretor na sede da petrolífera para relatar que a empresa Fidens estava enfrentando problemas para participar de licitações de maior porte, mesmo já sendo cadastrada junto a Petrobras. Na ocasião, o próprio presidente da Fidens, Rodrigo Alvarenga Franco, teria esclarecido as condições operacionais da empresa.

Leia mais
Defesas de parlamentares querem novo relator de delações da Odebrecht no STF
STF reforça equipe de Fachin para agilizar Lava-Jato 
Lista de Fachin deve ter desmembramentos dentro do STF

A denúncia narra que Costa, valendo-se do cargo, teria recomendado à Comissão de Licitações da Petrobras a inclusão da Fidens nos convites seguintes, o que de fato ocorreu. A empreiteira acabou vencendo uma licitação para a construção dos prédios administrativos do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Mais tarde, venceu outra concorrência, desta vez para a construção da Refinaria Premium I.

Na denúncia, Janot sustenta que Costa foi convidado a ir ao Hotel Fasano, no Rio, onde Germano e Luiz Fernando Farias teriam lhe entregue R$ 200 mil como "agradecimento" pela contratação da Fidens pela Petrobras. As informações foram prestadas por Costa no acordo de delação premiada. Este é o segundo inquérito da Lava-Jato na qual há denúncia contra Germano.

Em março de 2016, a PGR havia denunciou por corrupção passiva e ocultação de bens Germano e os deputados Arthur Lira (AL), Mário Negromonte Jr. (BA), Luiz Fernando Faria (MG), Roberto Britto (BA) e os ex-deputados Mário Negromonte (BA) e José Alberto Pizzolatti (SC). Todos são do PP. O inquérito original do caso trata de Pizzolatti. A denúncia é sigilosa e corre em inquérito protegido por segredo judicial.

A reportagem não conseguiu contato com o parlamentar.

Leia as últimas notícias sobre a Operação Lava-Jato

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.