Delator

Após áudio de conversa com Temer, Joesley diz que teve "coragem" para "romper com elos de corrupção"

Empresário comenta que 17 de maio de 2017, quando a gravação se tornou pública, foi o dia de seu "renascimento"

Por: Estadão Conteúdo
23/07/2017 - 08h28min | Atualizada em 23/07/2017 - 10h52min
Após áudio de conversa com Temer, Joesley diz que teve "coragem" para "romper com elos de corrupção" Júlio Cordeiro/Agencia RBS
Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS  

O empresário e delator Joesley Batista afirma, em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo deste domingo (23), que, de uma hora para outra, passou de "maior produtor de proteína animal do mundo a 'notório falastrão', 'bandido confesso' e tantas outras expressões desrespeitosas". 

Joesley, que gravou conversa com o presidente Michel Temer, dando início à atual crise política, diz que decidiu escrever o artigo para "acabar com mentiras e folclores" e "entregar ao tempo a missão de revelar a razão".

O dono da JBS comenta que 17 de maio de 2017, quando a gravação com Temer se tornou pública, foi o dia de seu "renascimento". "Senti-me um novo ser humano, com valores, entendimento e coragem para romper com elos inimagináveis de corrupção praticada pelas maiores autoridades do nosso país", escreve.

Leia mais:
"Ninguém se sente feliz dando imunidade a criminoso", diz Janot sobre Joesley
JBS foi um dos negócios mais bem bolados do BNDES, diz presidente do banco
Janot afirma que sentiu "náuseas" ao ouvir gravação de Joesley e Temer

Joesley também escreve que, desde então, "vive num turbilhão para o qual são arrastados minha família, meus amigos e funcionários". Segundo ele, políticos, que até então se beneficiavam dos recursos da J&F; para suas campanhas eleitorais, passaram a criticá-lo, "lançando mão de mentiras". 

"Disseram, por exemplo, que, depois da delação, eu estaria flanando livre e solto pela Quinta Avenida, quando, na verdade, nem em Nova York eu estava", sublinhou. "A lista de inverdades não parou por aí. Mentiram que eu estaria protegendo o ex-presidente Lula; mentiram que eu seria o responsável pelo vazamento do áudio para a imprensa para ganhar milhões com especulações financeiras, que eu teria editado as gravações", acrescenta.

O empresário afirma que "a única verdade que sei é que, desde aquele 17 de maio, estou focado na segurança de minha família e na saúde financeira das empresas, para continuar garantindo os 270 mil empregos que elas geram". 

"Por isso, demos início a um agressivo plano de desinvestimento que tem tido considerável êxito, o que demonstra a qualidade da equipe e das empresas que administramos."

O empresário menciona que, de volta a São Paulo, vê na imprensa "políticos me achincalhando no mesmo discurso em que tentam barrar o que chamam de 'abuso de autoridade'". 

"Eles estão em modo de negação. Não os julgo. Sei o que é isso. Antes de me decidir pela colaboração premiada, eu também fazia o mesmo. Achava que estava convencendo os outros, mas na realidade enganava a mim mesmo, traía a minha história, não honrava o passado de trabalho da minha família."

Joesley reclama que "poucos mencionam a multa de R$ 10,3 bilhões que pagaremos, como resultante do nosso acordo de leniência". 

"Não tenho dúvida de que esse acordo pagará com sobra possíveis danos à sociedade brasileira. Hoje, depois de 67 dias e 67 noites da divulgação da delação, resolvi escrever este artigo, não para me vitimar — o que jamais fiz —, mas para acabar com mentiras e folclores e dizer que sou feito de carne e osso. E entregar ao tempo a missão de revelar a razão", conclui.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.