Sem acordo, sem energia

Impasse entre estatais eleva risco de corte de energia no Estado no verão

Falta de acordo sobre preço do carvão que a estadual CRM fornece à federal CGTEE ameaça normalidade de abastecimento, avalia ONS

20/04/2017 - 18h00min | Atualizada em 20/04/2017 - 18h00min
Impasse entre estatais eleva risco de corte de energia no Estado no verão Júlio Cordeiro/Agencia RBS
Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS  

O risco de que o impasse entre a Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE) paralise a maior térmica em atividade no Estado foi avaliado ontem pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Diretor-geral do órgão, Luiz Eduardo Barata Ferreira avaliou que, caso se confirme a hipótese, cresce a ameaça de cortes no fornecimento de energia no verão 2017/18. Conforme Barata, se o complexo de Candiota ficar indisponível pode haver problemas em caso de outra contingência, como excesso de demanda – pouco provável, mas não impossível – ou perda de algum circuito de transmissão de energia.

Gerente executivo do Núcleo Sul do ONS, Manoel de Jesus Botelho, frisou que que a usina é fundamental para o sul do Estado. Lembrou que, no período entre novembro a abril, a carga de energia na região triplica, em boa parte por conta do bombeamento de água para a irrigação do arroz.

Leia mais
Impasse em contrato coloca duas estatais em risco
Estatal gaúcha pode fechar antes de ser privatizada
Com projeto de usina, Copelmi busca alternativa para carvão gaúcho

O Complexo Termelétrico de Candiota, da CGTEE, tem capacidade instalada de 796 megawatts (MW). São 126 MW na Fase A, 320 MW na B e 350 MW na C. A estatal federal, subsidiária da Eletrobras, tem a concessão de operação. As térmicas consomem carvão mineral, fornecido pela Companhia Riograndense de Mineração (CRM, na foto). No ano passado, foram utilizados 2,5 milhões de toneladas de carvão em Candiota.

O impasse entre as duas estatais envolve cerca de R$ 12 milhões. Até 2015, a CGTEE comprava 3,5 milhões de toneladas anuais de carvão da CRM. A partir de janeiro de 2016, reduziu a encomenda para 2,5 milhões. Agora, comunicou à mineradora que só precisará de 1,2 milhão de toneladas anuais. E o mais complicado: avisou que só pode pagar R$ 56 por tonelada, enquanto a CRM precisa, para sustentar seus custos, ao menos R$ 71 por tonelada.

O secretário estadual de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, já afirmou que, se um acordo não for obtido ainda neste mês, o Estado será obrigado a fechar a CRM em maio, porque não haverá recursos suficientes para pagar a folha. Conforme o secretário, a secretaria tenta resolver não apenas a questão de negócios, mas também o problema sistêmico que pode haver caso as duas sejam obrigadas a fechar. 

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.