Briga no Moinhos

Barulho demais, lixo e xixi: nada disso é motivo para impedir a ocupação da Padre Chagas

Donos de bares do Moinhos de Vento se dividem entre os que querem e os que rejeitam as comemorações de Saint Patrick's Day no meio da rua

13/03/2017 - 06h00min | Atualizada em 13/03/2017 - 12h51min
Barulho demais, lixo e xixi: nada disso é motivo para impedir a ocupação da Padre Chagas Reprodução/Twitter
Em 2016, comemoração promovida por bares da Padre Chagas reuniu tanta gente que a rua acabou bloqueada Foto: Reprodução / Twitter  

Tenho gostado da briga entre os donos de bares da Padre Chagas. Uns querem fechar a rua na próxima sexta-feira para as comemorações de Saint Patrick's Day – tradicional festa irlandesa cada vez mais popular por aqui – e outros resistem à iniciativa devido aos problemas de sempre: barulho demais, excesso de gente, xixi nos muros, lixo no chão.

A briga me agrada porque, pela primeira vez, a ocupação de espaços públicos vira tema de debate fora do eixo Bom Fim-Centro-Cidade Baixa. Nesta segunda-feira, a associação de moradores Moinhos Vive se reunirá para discutir o assunto, e os donos de bares vão se encontrar novamente sob a mediação da prefeitura.

Mais de Paulo Germano sobre Porto Alegre:
Placa mantém hospital de Porto Alegre sem pichações há 12 anos
Vendedor de salgados recupera carrinho furtado: "Saí correndo para abraçá-lo"

Polícia conclui que atentado contra vereador Rodrigo Maroni não aconteceu

Compreendo todos os argumentos contrários à festa, mas são inúteis. Ocupar as ruas é uma tendência mundial que se mostra eficiente no combate à insegurança e, principalmente, na conscientização das pessoas de que o espaço público não é de ninguém: é delas. Só que, claro, como essa cultura é incipiente por aqui, ainda nos faltam noções básicas de convívio e de etiqueta nesse tipo de evento.

Como se revolve isso? Com o tempo, mas também com campanhas pedindo respeito aos frequentadores, regras claras e estrutura adequada – o que parece ser uma preocupação dos organizadores, que prometem banheiros químicos na Padre Chagas e horário para começar (16h) e para terminar (21h30min).

Vetar a festa sob o argumento de que o lixo, o barulho ou o xixi a inviabilizam seria como resolver uma infestação de cupins tacando fogo na casa. É resolver um problema sem atacar o real problema. Ninguém está propondo que a Padre Chagas receba eventos como esse toda semana. Trata-se de um episódio. Uma vezinha só. Se bem que, cá entre nós, até poderia ocorrer mais vezes.

Leia as últimas colunas de Paulo Germano

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.