Transporte

Votação para regulamentar Uber termina com apreciação de apenas uma emenda e segue na segunda

Vereadores discutiram o assunto entre 14h15min e 19h45min

Por: Jéssica Rebeca Weber
29/09/2016 - 20h06min | Atualizada em 29/09/2016 - 20h45min
Votação para regulamentar Uber termina com apreciação de apenas uma emenda e segue na segunda Anderson Fetter/Agencia RBS
Foto: Anderson Fetter / Agencia RBS

Com manifestações exaltadas de taxistas, vereadores de Porto Alegre começaram, nesta quinta-feira, o processo de votação do projeto que regulamenta aplicativos de transporte como o Uber na cidade. O assunto foi discutido entre 14h15min e 19h45min, e votaram apenas uma das 55 emendas, sem chegar à proposta encaminhada pela prefeitura. A apreciação deve ter continuidade na sessão de segunda-feira.

A emenda aprovada por 16 votos a 8 prevê a instalação facultativa de sistema de áudio e vídeo para gravação durante todo o percurso das viagens, com o objetivo de disponibilizar as informações aos órgãos policiais e fiscalizadores, quando necessário. Os equipamentos seriam instalados por livre opção dos prestadores de serviço. 

Um esquema especial de segurança foi montado pela Câmara, com atuação de seguranças da Casa e terceirizados, além de aproximadamente 15 guardas municipais. Duzentas senhas foram distribuídas para o acesso ao plenário.

Leia mais:
Compare as tarifas de Cabify, Uber e táxi em Porto Alegre
Para concorrer com o Uber, Sindicato dos Taxistas lança app que permite avaliar serviço

Logo na entrada da sede do Legislativo, cartazes conduziram simpatizantes do Uber e da categoria de taxistas a direções opostas. Nas galerias, eles sentaram em lados distintos — mas alguns taxistas retiraram senhas para entrar na galeria pró-Uber, gerando confusão no começo da sessão. Eles foram retirados por seguranças.  

Para o lado dos taxistas, a distribuição de senhas terminou em duas horas, por volta das 10h30min. O taxista Marcos Magalhães, conhecido como Paulista, chegou às 6h à Câmara para garantir seu lugar. Antes da sessão começar, soltou fogos de artifício na rua.

— É para as pessoas saberem que estamos presentes na Câmara — justificou.

Contrário ao projeto, ele acredita que o Uber não seguiria as determinações, e ainda questiona a capacidade do município para fiscalizar.

No lado oposto das galerias, o motorista do Uber Mauro Pires, conhecido como Baloy, discorda de alguns pontos do projeto, como a necessidade de identificar o veículo — o que "faria dos motoristas alvos fáceis", acredita. Mas fez questão de comparecer à Câmara para pedir a aprovação do projeto de regulamentação:

— Para que a gente possa trabalhar sossegado, uma vez que, hoje, para a EPTC (Empresa Pública de Transportes e Circulação), somos ilegais.

Bem como nas galerias, na tribuna, não faltaram discursos divergentes. Enquanto Mauro Zacher (PDT) defendeu a "permissão para que a inovação qualifique o transporte público da cidade", Claudio Janta (SDD) disse que "o aplicativo (Uber) soma milhões em prejuízo no mundo". Com mais de 50 emendas de vereadores, a lei que sairá da Câmara terá grandes mudanças em comparação ao projeto encaminhado pela prefeitura, de acordo com Elizandro Sabino (PTB).

Diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari afirma que o Poder Executivo segue em diálogo com os vereadores na tentativa de "manter o esqueleto do projeto para que ele possa ser aplicável". Entre os pontos de que a prefeitura não quer abrir mão estão a permissão da realização do serviço apenas para veículos emplacados em Porto Alegre e o pagamento da Taxa de Gerenciamento Operacional. Nessa questão, considera que pode haver uma redução no número proposto inicialmente, de 50 Unidades Financeiras do Município (UFM), que hoje representa cerca de R$ 180. Sugere a cobrança de, no mínimo, 30 UFM por mês.

O que diz o Uber

Fabio Sabba, diretor de comunicação do Uber, ressalta que a empresa quer a regulamentação do serviço em Porto Alegre, e por isso "o projeto é um passo na direção certa", mas diz que há pontos da proposta da prefeitura que podem tornar o sistema mais caro e ineficiente.

Entre eles, está o pagamento da Taxa de Gerenciamento Operacional no valor de aproximadamente R$ 180 mensais por veículo credenciado. Sabba destaca que, com essa determinação, os motoristas já começariam a trabalhar devendo dinheiro. Como há motoristas que escolhem trabalhar poucas horas por mês para complementar a renda familiar, ele defende a cobrança de uma taxa proporcional — diz que em Vitória (ES) e em Brasília é cobrado um percentual por viagem e, em São Paulo, por quilômetro rodado. O Uber ainda critica a proibição da realização do serviço com veículos emplacados fora da cidade e a obrigatoriedade de inspeção veicular duas vezes ao ano.

O que dizem os taxistas

Para o Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi) a regulamentação é aceitável desde que garanta igualdade de condições entre os aplicativos de transporte, como o Uber, e o sistema de táxi da Capital, gerando uma concorrência justa. Destaca o uso de placa vermelha e a identificação dos motoristas como questões cruciais, e também defende que haja um valor mínimo de quilômetro rodado justo — considera "irreal" o valor cobrado hoje pelo Uber.

A Associação dos Permissionários Autônomos de Táxi de Porto Alegre (Aspertaxi) também reivindica o uso de placa vermelha e identificação de veículos do Uber, além de número limitado de veículos.

— A princípio, não queremos a regulamentação. Mas se não há outra opção, que seja com as mesmas obrigações impostas ao taxista — afirma o presidente, Walter Barcellos. 

 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.