Educando com Arte

Após furto de instrumentos musicais, orquestra beneficente faz ensaio simbólico

Casa de música na Aldeia da Fraternidade foi arrombada na madrugada de quarta-feira, pela terceira vez em meio ano. O prejuízo é de R$ 30 mil

Por: Lara Ely
15/02/2017 - 22h07min | Atualizada em 16/02/2017 - 16h31min
Após furto de instrumentos musicais, orquestra beneficente faz ensaio simbólico Leonardo Kerkhoven/Divulgação
Foto: Leonardo Kerkhoven / Divulgação  

O maestro Luiz André Silva irá reger de forma simbólica uma orquestra sem instrumentos na manhã desta quinta-feira. Isso porque o material utilizado pelos músicos em formação na Educando com Arte — à exceção do contrabaixo — foram furtados da casa de música na Aldeia da Fraternidade, zona sul de Porto Alegre. A entidade, que atende crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e adquiriu os objetos por meio de doações, estima um prejuízo de R$ 30 mil.

Foram levados 10 violinos, sete teclados, seis flautas doces, duas flautas transversais, dois violões, dois pandeiros, sax, clarinete, bongo, violão infantil, piano eletrônico e kit de pratos de bateria, além de amplificador, duas caixas de som e TV 42 polegadas. É a terceira vez que a entidade é assaltada em seis meses. Nas outras ocasiões, os alvos foram monitores de computadores. A Polícia Civil investigará o crime.

Leia mais:
Reunião sobre dissídio dos rodoviários de Porto Alegre termina sem acordo
Veja as mudanças no trânsito no entorno do novo Zaffari Hípica
Livros no DMLU? Locais de descarte de lixo também têm... bibliotecas

Maestro do grupo Vocal de Vez em Canto há 14 anos, Silva começou o projeto social na Aldeia em 2015. A proposta de ensinar música clássica para um público acostumado a ouvir funk foi tão bem aceita que, em pouco tempo, as oficinas levaram à criação da orquestra. Silva pinçou, entre mais de cem alunos, 20 diamantes brutos para lapidar. Com eles, realizou diversas apresentações.

Agora, sem os instrumentos, recomeçar os ensaios no próximo dia 6 deve ser inviável. O principal compromisso da orquestra para 2017 — a participação no encontro TEDex, em 8 de abril, na PUCRS — também fica ameaçado de cancelamento. A apresentação de 20 minutos teria no repertório nomes como Gonzaguinha, Milton Nascimento e Flávio Venturini.

— Não sei o que fazer. Alguns amigos já ofereceram instrumentos. Outros, dinheiro. Temos pouco tempo e, infelizmente, estamos de mãos atadas — disse o maestro, que tenta compartilhar com alunos a paixão pela música popular brasileira.

Vice-diretor da entidade, o publicitário Alfredo Fedrizzi faz um desabafo:

— A insegurança é tanta que não se escolhe mais espaços. Estão roubando escolas, instituições de caridade, perdeu-se todos os critérios.

Luara Cândido, consultora da área de projetos e mobilização de parcerias e recursos, diz que, apesar de triste, confia no recomeço.

— Vamos recuperar e começar de novo — declara.

A Aldeia da Fraternidade fica na Rua Dona Paulina, no bairro Tristeza. Além das aulas de música, tem projetos esportivos e ambientais. Recebe 240 crianças a partir de seis anos e jovens até 18. O projeto foi aprovado na Lei Rouanet para mobilizar recursos e conta com patrocínio de empresas privadas.

Dados para doação:
Fraternidade Cristã Espírita
CNPJ: 92882190/0001 -36
Banrisul 
Banco: 0085
CC: 41118126.0-6
Informações: 51 32683313 / Whatsapp 51 992000220

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.