Os sete pontos

Entenda o que o TCE vai analisar sobre as passagens de ônibus de Porto Alegre

Não há prazo para que seja apresentada uma conclusão sobre o reajuste 

Por: Guilherme Justino
13/03/2017 - 18h45min | Atualizada em 14/03/2017 - 12h23min
Entenda o que o TCE vai analisar sobre as passagens de ônibus de Porto Alegre Carlos Macedo/Agencia RBS
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS  

Os vereadores Alex Fraga, Fernanda Melchionna e Roberto Robaina, do Psol, e Marcelo Sgarbossa, do PT, encaminharam, em meados de fevereiro, denúncia ao Ministério Público de Contas (MPC-RS) requerendo uma abertura de inspeção especial sobre a planilha tarifária do transporte coletivo de Porto Alegre. Transformada em representação pelo MPC, a denúncia foi acolhida pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) em 7 de março. Os técnicos do TCE teriam 48 horas para examinar a denúncia e emitir um parecer. 

Leia mais:
Impasses impedem definição de valor das passagens de ônibus em Porto Alegre

Na quinta-feira, dia 9, porém, solicitaram mais prazo à presidência do Tribunal, que poderia ainda determinar que a análise fosse substituída por uma inspeção especial. Foi o que aconteceu nesta segunda-feira. Agora, não há prazo para que seja apresentada uma conclusão sobre o reajuste da tarifa de ônibus.

Saiba o que vai passar pelo crivo do TCE

1 — Cotação do preço do óleo diesel

Conforme os denunciantes, houve alteração no critério de coleta do preço do óleo diesel: em vez de utilizar como parâmetro o valor divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a cotação do combustível teria, às vésperas do reajuste de 2015, passado a ser definida a partir das notas fiscais apresentadas pelas próprias empresas, o que representaria um custo maior do óleo diesel e, consequentemente, da tarifa.

2 — Receitas extraordinárias

Receitas como as oriundas de publicidade e dos rendimentos líquidos de aplicações financeiras relativas à comercialização de créditos antecipados para as empresas não estariam sendo depositadas em uma conta que seria gerida pelo poder público para, eventualmente, levar à redução — ou evitar o aumento — das tarifas. A iniciativa estava prevista no edital de licitação mas, segundo os denunciantes, "não se tem notícia de qualquer movimento do Executivo Municipal para a criação e gerência de tal conta".

3 — Tarifa fixada quando do início dos contratos decorrentes da licitação

A denúncia aponta que, após a licitação dos serviços, o cálculo da tarifa inicial teria sido feito a partir do total das frotas das empresas de ônibus, e não por uma média ponderada da rodagem de cada lote, o que estaria em desacordo com o edital. Esse cálculo, que não levaria em conta a efetiva quilometragem dos coletivos, teria representado R$ 0,04 ou R$ 0,05 de aumento na tarifa.

4 — Fator de utilização de pessoal 

Questionando o cálculo de pessoal utilizado para cobrir as férias dos funcionários (motoristas e cobradores), os denunciantes contestam a redução nos horários de linhas de ônibus, o que contraria, conforme apontados pelos vereadores, a lei federal que determina a melhoria e expansão do serviço. Também perguntam se os efeitos das reduções têm incidido sobre o cálculo tarifário.

5 — Coeficientes de consumo de combustível 

Entendendo que a lógica de que a evolução tecnológica levaria ao melhor desempenho dos motores, contribuindo para a diminuição do consumo e o aumento da sua autonomia, a denúncia contesta por que não houve redução nos coeficientes de consumo de combustível dos ônibus ao longo dos últimos anos. A representação encaminhada ao TCE aponta, inclusive, um caminho contrário: com a redução da frota, teria havido um efetivo aumento no coeficiente de consumo.

6 — Vida útil dos pneus

É questionada a regularidade de um decreto que determinou a vida útil dos pneus, considerando duas recapagens, em 163,3 mil quilômetros. Em 2014, havia sido determinado um aumento de 40% na vida útil, para 228 mil quilômetros, mas decretos publicados em 2015 e 2016 teriam reconsiderado esse número, voltando ao mesmo parâmetro que vigorava desde 2004.

7 — Qualidade dos serviços

A representação solicita que se pondere sobre as causas da redução no número de passageiros — uma das variáveis em que as empresas de ônibus se baseiam para justificar a necessidade de reajustes. Para os vereadores e o MPC, pode ser que a insatisfação dos usuários com os serviços leve à queda na demanda e, assim, a um aumento na tarifa. É requerido, ainda, que a análise técnica do TCE contemple a qualidade do transporte público de Porto Alegre.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.