Causa animal

Shana e seus 300 cães: o santuário dos cachorros que ninguém quis 

Matilha que vive em sítio na Lomba do Pinheiro com sua cuidadora, uma ex-moradora de rua, é formada por animais doados e abandonados 

Por: Lara Ely - especial
08/03/2017 - 19h17min | Atualizada em 09/03/2017 - 12h10min

Uns conhecem o lugar que abriga Dunga, Toco, Freeway, Trapiche, Achado, Sortudo, Gueijo, Dia e Sol junto a outros quase 300 cachorros como o santuário da causa animal. Shana Waechter prefere chamar de lar o sítio na Lomba do Pinheiro onde vive e cuida da sua família, uma matilha repleta de vítimas de maus-tratos e portadores de deficiências.

Ex-moradora de rua, ela teve o amor por animais despertado por um vira-lata que a encontrou sentada em um banco de praça chorando. Na ocasião, lastimava a falta de trabalho e o abandono que a levou a morar na rua e à prostituição. Levou para casa o cusco, e desde então, nunca mais negou colo, comida e chamego para um animal de quatro patas que lhe aparecesse abanando o rabo. Aceitou também alguns de três patas, outros sem olhos, ou sem pelos. Em sua casa, sempre há espaço para mais um peludo sarnento.

E são 300 espalhados pela propriedade que divide com o namorado Benhur. O terreno amplo, a 45 minutos do Centro, quase não tem vizinhos, mas possui espaço de sobra para receber cães — muitos de gente que estava acostumada a deixar na extinta Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda), localizada a três quadras dali.

Cachorrada reúne-se para ganhar o carinho de Shana: animais às vezes chegam doentes ou machucados Foto: Isadora Neumann / Agência RBS

A cachorrada segue Shana por todo lado: dezenas de guaipecas e vira-latas atrás da travesti de 1,80m, buscando comida ou atenção. Tirando um ou outro de conduta agressiva — esses, mantidos no canil —, a maioria fica solta correndo e latindo livres pela propriedade.

— As pessoas querem adotar filhotes bonitos, ou cachorros de raça. Tem gente que se estapeia na internet para comprar, e gastam fortunas. Esses daqui são jogados na estrada. Tem gente que só larga eles no meu portão, queria ter câmeras para ver quem são — diz.

Leia mais
Japonês vem fazer intercâmbio em Porto Alegre e vira "acadêmico" em bateria de escola de samba
Esta rua poderia ser a mais bonita da cidade. Saiba por que não é
19 mil "vizinhos": nas redes sociais, moradores e fãs do Centro Histórico se encontram

No sítio, os animais não ganham tratamento vip: o banho é uma vez por mês e a disputa por comida é acirrada, mas são bem cuidados. Shana trata problemas comuns, como bicheira ou sarna dermodésica. As únicas condições impostas pela cuidadora para aceitar doações é que os animais venham castrados e seus donos deixem comida. As refeições, ela prepara em um panelão, com polenta, fígado e arroz. Serve misturada com um pouco de ração e pão velho. Alimentar os 300 de Shana exige 40kg de alimento por dia. Quando a comida falta, ela aciona a rede de colaboradores para novas doações. Mas não gosta de pedir - prefere quando a ajuda é espontânea.

— Nunca tive nada, mas gosto de fazer pelos outros. A gente que já passou necessidade valoriza muito todo tipo de ajuda, e sabe que no final, dá-se um jeito — diz a travesti, que também aluga o espaço dos canis e promove brechós para completar o orçamento.

Natural de São Luís Gonzaga, Shana passou a infância como Alexandre Oliveira Waechter. Decidiu assumir a identidade feminina mais tarde, quando já morava em Caçapava do Sul. Sofreu abusos quando criança e, até virar cuidadora de animais, teve uma vida difícil. Prostituiu-se, fez shows à noite, pulou de bico em bico. Na companhia dos cachorros, achou força para se manter em pé:

— Me comparo a eles. São os esquecidos da rua, e eu fui esquecida em muitas coisas.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.