Litoral

Funcionário e veranista contestam versão da prefeitura sobre asfalto na areia de Capão da Canoa 

Operador da máquina que asfaltou beira da praia disse que decisão foi tomada com o secretário de Obras da cidade. Veranista que pediu acesso diz que propôs passarela de madeira

31/12/2016 - 15h51min | Atualizada em 31/12/2016 - 15h51min
Funcionário e veranista contestam versão da prefeitura sobre asfalto na areia de Capão da Canoa  Grasi Rolim/Especial
Na sexta-feira, o asfaltamento de parte da beira da praia gaúcha causou polêmica  Foto: Grasi Rolim / Especial  

A família que solicitou a instalação de uma rampa na beira da praia, em Capão da Canoa, e o operador da máquina responsável pelo asfaltamento de um trecho de areia contestam a versão divulgada pela prefeitura de que a obra polêmica teria sido um ato espontâneo de um funcionário na última sexta-feira. Segundo ambos, a Secretaria de Obras do município teria autorizado o avanço de uma trilha de asfalto até o mar.

O advogado Jorge Laureano Pereira, 57 anos, conta que abriu o processo número 17989/2015 na prefeitura do município, em 24 de agosto de 2015, para solicitar a implantação de um acesso sobre um trecho da faixa de areia que alaga frequentemente.

A intenção era permitir que sua filha tetraplégica, Sarah, de 30 anos, pudesse chegar à beira-mar. Vítima de um erro médico provocado por anestesia quando tinha apenas 2 anos, ela não fala e precisa de auxílio para todo tipo de tarefa. A família, que tem casa em Porto Alegre, passa cada vez mais tempo na praia porque o barulho das ondas tranquiliza Sarah.

— Ela chega a dormir na cadeira. O ruído do mar deixa ela relaxada — conta a mãe, Maria Inês Lottici, 57 anos.

Pereira vem pedindo desde 2015 que a prefeitura instale uma rampa de madeira no balneário Guarani Foto: Marcelo Gonzatto / Agência RBS

O problema é que a família seguidamente não consegue vencer um trecho de areia alagadiça para chegar à orla. Por isso, há quase um ano e meio, Pereira busca a instalação de um acesso ao final de sua rua, no balneário Guarani. Além de abrir um protocolo, nos últimos meses o advogado havia feito apelos à chefia de gabinete do prefeito e às secretarias de administração e de obras.

— Nós só queremos que a nossa filha possa usufruir da praia. Bastaria colocar uma pequena passarela de madeira, como existem tantas outras em vários locais de Capão. Mas é a prefeitura que decide como a obra será feita — explica Pereira.

Foto do arquivo da família mostra a dificuldade para transpor, com Sarah, a área alagadiça Foto: Marcelo Gonzatto / Agência RBS

Alguns dias antes da tentativa de implantação do asfalto sobre a areia, realizada sexta-feira, o advogado conta que havia encontrado o operador de máquinas pesadas da prefeitura Nilson Machado, 59 anos, que realizava reparos nas proximidades. Repetiu o pedido para a instalação de uma rampa. Segundo Pereira, o funcionário telefonou para a secretaria de Obras na sua frente a fim de confirmar se poderia fazer algo.

Machado confirma essa versão. O servidor municipal diz que não tomou nenhuma decisão sozinho:

— Sou funcionário da prefeitura há 27 anos. Tu acha que eu vou fazer alguma coisa por minha conta? Telefonei para o secretário de obras e pedi autorização, que foi concedida. A decisão foi minha e do secretário.

A obra então foi programada para a manhã de sexta-feira, quando o maquinário da prefeitura, segundo o operador, se dirigiu ao local exclusivamente para criar a trilha asfáltica. Moradores das proximidades dizem que havia pelo menos uma dezena de funcionários no local, um carro da prefeitura, um caminhão de areia, um trator e um caminhão de asfalto com rolo compressor.

Após a repercussão do caso, a prefeitura retirou o asfalto e emitiu nota garantindo que a pavimentação havia sido uma decisão isolada de um funcionário, sem a autorização da administração municipal (veja a íntegra abaixo).

Zero Hora telefonou para o celular do secretário de Obras, Luis Fernando Nunes, mas não havia conseguido contato até o começo da tarde de sábado. A assessoria de imprensa da prefeitura de Capão da Canoa voltou a informar que a colocação de asfalto não foi formalmente autorizada pelo município.

Foto: Marcelo Gonzatto / Agência RBS

Confira a nota divulgada pela prefeitura de Capão da Canoa

"Conforme informações da Secretaria de Obras e Saneamento a rampa em asfalto feita à beira mar no bairro Guarani para acesso de cadeirantes não foi proveniente de ordem da Administração Municipal, e sim um equívoco de algum funcionário.Segundo relatos, uma moça cadeirante que estava no local, juntamente com seus familiares pediu a um funcionário da prefeitura que trabalhava no espaço, fazer um acesso até a praia para cadeirantes. Ele equivocadamente atendeu ao pedido e foi além. A Prefeitura Municipal já está retirando o material e tomando as devidas providências, abrindo uma sindicância para apurar o caso e punir os responsáveis."

Leia mais
VÍDEO: veranistas dão a previsão do tempo direto da beira da praia
Patrolas cedem lugar a calçadão na orla de Capão da Canoa
Rio Grande do Sul tem sete locais impróprios para banho; confira

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.