Indústria 

Fiesp elogia corte do juro, mas reivindica também aumento de crédito 

Comunicado foi divulgado logo depois de o Banco Central anunciar redução da taxa básica para 13% ao ano 

Por: Zero Hora
11/01/2017 - 19h57min | Atualizada em 11/01/2017 - 19h57min
Fiesp elogia corte do juro, mas reivindica também aumento de crédito  JULIA MORAES/Divulgação/Fiesp
Foto: JULIA MORAES / Divulgação/Fiesp  

Após o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) anunciar redução do juro para 13% ao ano, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) afirmou, por meio de nota, que a medida é importante, mas, para garantir o estímulo ao mercado e a retomada do crescimento de empregos, é necessário também aumentar o crédito da economia.

Leia mais:
Copom corta Selic em 0,75 ponto percentual, para 13%
Justificativa do BC atribuindo corte à atividade fraca vai dar o que falar
CNI diz que aceleração da queda dos juros "ajudará a recuperar consumo e investimentos"

¿O corte de 0,75 ponto percentual é um primeiro passo para a retomada do crescimento econômico e para geração de empregos que o Brasil precisa. Além de reduzir a Selic, é preciso aumentar o crédito da economia para que as empresas invistam e as famílias consumam¿, afirmou o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, no documento.

Também por meio de comunicado à imprensa, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) disse que ¿a aceleração da queda dos tributos básicos ajudará na recuperação da economia¿. A confederação também ponderou que os juros só permanecerão baixos no médio e no longo prazo se o governo cortar gastos e continuar a promover medidas que equilibrem as contas públicas.

Nesta quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) foi além da expectativa da maior parte dos analistas de mercado quanto ao ritmo do corte da taxa Selic. O colegiado informou no final da tarde desta quarta-feira a decisão de fazer uma redução de 0,75 ponto percentual no juro básico da economia, que agora cai para 13% ao ano. A decisão foi unânime. As apostas predominantes indicavam que o BC seria mais cauteloso optaria por um corte de 0,50.

*Zero Hora

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.