Segurança já

Presos depredam micro-ônibus da Brigada utilizado como cela no Palácio da Polícia

Na manhã deste sábado, detidos que esperam vagas quebraram veículo onde estavam sendo mantidos e ameaçaram incendiar carceragem

19/11/2016 - 11h04min | Atualizada em 20/11/2016 - 09h46min

Presos que estavam sendo mantidos em um micro-ônibus da Brigada Militar no Palácio da Polícia, à espera de vagas em cadeias, destruíram parte do veículo na manhã deste sábado. Dentro da carceragem, outros detidos atearam fogo a roupas e protestaram contra as condições do local. 

Segundo o delegado de plantão da 2ª Delegacia de Pronto Atendimento (DPPA) Francisco Antoniuk, a ação começou por volta das 10h, quando seis detidos quebraram janelas e estragaram bancos do micro-ônibus, que ficou completamente depredado em seu interior. 

Os presos, que pediam transferência para outro local, haviam passado a noite no veículo. Mesmo após a ação, eles seguiram algemados dentro do micro-ônibus por algumas horas e foram autuados por depredação.

— A Susepe afirmou que vai disponibilizar vagas para os detidos. Assim que controlarmos a situação, vamos verificar isso — disse Antoniuk .

A tensão no local aumentou por volta das 11h, quando outros dez presos, mantidos na carceragem do Palácio da Polícia, começaram a se revoltar e atearam fogo ao local. Um caminhão dos Bombeiros foi deslocado para controlar as chamas.

— O que está acontecendo aqui preocupa, porque é uma situação totalmente adaptada — afirmou o delegado Marco Antonio de Souza, responsável pela carceragem do Palácio da Polícia.

Com a confusão, o Batalhão de Operações Especiais (BOE) foi chamado para realizar a retirada dos detidos de dentro do veículo. Durante a tarde, eles foram encaminhados para a Penitenciária Modulada de Charqueadas.

Leia mais
Presos são algemados em lixeira devido à falta de vagas no sistema penitenciário
Com celas lotadas, delegacias de Porto Alegre têm novos presos em viaturas

Durante a manhã, enquanto a depredação ocorria no interior do Palácio da Polícia, novos detidos chegavam ao local. Segundo o delegado Antoniuk, eles devem permanecer nos veículos da BM até que novas vagas sejam disponibilizadas. 

Desde outubro, o número recorde de presos e a falta de vagas em presídios e celas de delegacias faz com que a polícia recorra aos veículos de patrulha para manter os detidos. 

Há mais de 34 mil pessoas presas no Estado — 10 mil a mais do que a capacidade carcerária. Depois que a situação chegou a um flagrante constrangedor, com dois presos algemados a uma lixeira na Avenida Ipiranga, o comando da Brigada Militar determinou que outros lugares sejam utilizados para manter os detidos. 

Leia as últimas notícias

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.