Justiça

Relembre o caso do bioquímico acusado de matar a mulher e o filho em Porto Alegre

Crime ocorrido em julho de 2012 é julgado desde a manhã desta segunda-feira

Por: Zero Hora
19/06/2017 - 15h43min | Atualizada em 19/06/2017 - 15h58min
Relembre o caso do bioquímico acusado de matar a mulher e o filho em Porto Alegre Fernando Gomes/Agencia RBS
Réu (à frente dos agentes) saindo da 1ª Vara do Júri de Porto Alegre na manhã desta segunda-feira Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS  

O bioquímico Ênio Luiz Carnetti responde desde a manhã desta segunda-feira (19) ao Tribunal do Júri pelas mortes da sua mulher Márcia Cambraia Calixto Carnetti, aos 39 anos, e o próprio filho, Matheus Calixto Carnetti, aos cinco anos. O Ministério Público o denunciou pelo duplo assassinato e a pena pode chegar a 45 anos de prisão.

O crime

Em 26 de julho de 2012, Márcia foi encontrada pela Polícia Civil e a Brigada Militar morta a facadas, caída de bruços, no chão do quarto de casal na casa da família, na Rua Sargento Nicolau Dias de Faria, no bairro Tristeza, zona sul de Porto Alegre. O filho dela também foi assassinado a facadas, e estava deitado na cama de seu quarto, de pijama. O crime teria acontecido na véspera.

Foi no dia 25 que Ênio Luiz Carnetti saltou da ponte sobre o Canal Furado, na BR-290. Ele acabou salvo por pescadores e socorrido ao Hospital de Pronto Socorro (HPS). Foi só quando o hospital tentou contato com a família que as autoridades desconfiaram do que pudesse ter acontecido.

Diversos bilhetes escritos a mão pelo bioquímico foram encontrados pela casa. Ele escrevia que "preferia morrer a ir para a prisão" e que teria assassinado o filho "para ele não sofrer".

Prisão

Três dias depois, o bioquímico, já recuperado dos ferimentos da queda, teve a prisão preventiva confirmada e foi transferido para o Presídio Central.

Perseguição à mulher

Segundo a Polícia Civil, Carnetti teria investigado a mulher antes de cometer o crime. Em julho de 2012, ZH publicou reportagem na qual uma amiga de Márcia, que teve identidade preservada por segurança, disse que Ênio Luiz Carnetti, na época com 46 anos, perseguia a mulher no trabalho.

Indiciamento e denúncia

No mesmo mês, Carnetti foi indiciado por homicídio duplamente qualificado. Em agosto, o Ministério Público denunciou o bioquímico pelos mesmos crimes.

Carnetti durante audiência do processo, em 2013 Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.