Operação Carne Fraca

A indústria de carnes brasileira não será mais a mesma depois de hoje

Ação da Polícia Federal mostra que há necessidade de transformação do processo relativo à fiscalização do setor, para resgatar a confiança perdida

17/03/2017 - 14h13min | Atualizada em 17/03/2017 - 14h55min
A indústria de carnes brasileira não será mais a mesma depois de hoje GERALDO BUBNIAK/AGB/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: GERALDO BUBNIAK / AGB/ESTADÃO CONTEÚDO  

A Operação Carne Fraca é um marco que definirá o antes e o depois da indústria de carnes no país. Nada será igual frente à descoberta feita pela Polícia Federal, depois de dois anos de investigação. É porque no olho desse furacão estão gigantes do setor. Empresas que dominam o mercado e que eram tidas como referência de qualidade. Quem não lembra a marcante campanha publicitária com o ator Tony Ramos na qual afirmava "carne de qualidade tem nome, é Friboi"? Isso apenas para citar um exemplo de propaganda.

Leia mais: 
PF encontrou carnes podres e uso de produtos cancerígenos
Executivos da JBS são presos na Operação Carne Fraca
Ministro da Agricultura cancela licença após Operação Carne Fraca

Mais do que envolver grandes companhias, a fraude contava com a conivência de auditores fiscais federais agropecuários. Então, será preciso mexer em toda a estrutura que permeia a indústria de carnes para recuperar a confiança perdida do consumidor e para que a imagem, agora totalmente arranhada, seja resgatada. Talvez o Ministério da Agricultura possa considerar a proposta de promover um rodízio entre os auditores fiscais federais, que hoje, no caso da inspeção de carnes, atuam de forma permanente dentro de uma mesma indústria. Ao realizar trocas, reduz a possibilidade de corromper um agente.

Em nota, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) afirma que as "falhas que eventualmente venham a ser comprovadas são exceções em um modelo produtivo que é referência para o mundo". Fala em "questões pontuais, que não refletem todo o trabalho desenvolvido pelas empresas brasileiras durante décadas de pesquisas e investimentos, para ofertar produtos de alta qualidade".

Assim como nas fraudes do leite, não se pode generalizar o trabalho de todo o setor produtivo, mas a grandeza das empresas envolvidas atingirá em cheio a credibilidade do setor. Isso inclui os pecuaristas, que não estão envolvidos no esquema, mas certamente serão afetados pelo impacto da operação. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) afirmou em comunicado que "os produtores rurais têm dado uma grande contribuição ao desenvolvimento nacional... Portanto, não é justo que tenham a sua imagem maculada pela ação irresponsável e criminosa de alguns".

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirma que a determinação é de "tolerância zero com atos irregulares no Mapa (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento)". Espera-se que essas não sejam apenas palavras ao vento. Só mesmo o rigor da punição e os devidos esclarecimentos poderão afastar os fantasmas que agora cercam a carne no país.

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.