Trânsito

Ipiranga e mais sete vias de Porto Alegre terão faixas exclusivas para ônibus

Implantação deve ser feita até o final do ano com o objetivo de reduzir tempo de viagem no transporte coletivo da Capital

Por: Eduardo Rosa
14/09/2016 - 03h00min | Atualizada em 15/09/2016 - 00h25min

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) pretende implantar, até o fim do ano, faixas exclusivas para ônibus em oito vias de Porto Alegre. Entre as contempladas no projeto, está a Ipiranga, uma das principais avenidas da cidade.

A faixa se estenderá da Borges de Medeiros à Antônio de Carvalho e deve funcionar apenas em horários de pico — das 6h às 9h e das 17h às 19h. A demarcação será nos moldes da que é aplicada na Avenida Cavalhada: uma listra contínua azul apontando a restrição de veículos à direita.

Leia mais:
Empresas de ônibus da Capital vão pedir revisão de contrato 
EPTC vai multar empresa de aluguel de bicicletas em Porto Alegre
Ao reduzir tarifa mínima em Porto Alegre, Uber concorre também com lotações e ônibus 

— O objetivo é priorizar o transporte coletivo, para que o tempo de viagem seja reduzido e se torne mais regular. Hoje, é muito irregular devido às dificuldades de circulação. Com a faixa exclusiva, o tempo é mais planejado, cumpre-se melhor a programação — afirma o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari.

O gestor cita a mudança realizada no trecho Cavalhada-Nonoai-Teresópolis, na Zonal Sul, como um exemplo positivo:

— Tivemos um aumento em torno de 4% nos usuários do transporte coletivo naquela região. A população compreende, e o número de autuações por invasões do corredor (infração leve) são raras.

O que torna mais complexa a implantação na Ipiranga é o elevado volume de veículos que circulam na avenida, além da presença de árvores junto ao meio-fio. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) trabalha com o órgão de trânsito para avaliar o que precisará ser feito com vegetais que estão inclinados na direção da pista. Outra via que merece atenção extra é a José do Patrocínio, cuja faixa de ônibus será instalada entre a Loureiro da Silva e a Sebastião Leão, reduzindo o número de vagas de estacionamento.

Cappellari acredita que, com tempos de viagens menores, mais pessoas passarão a utilizar o transporte público e, consequentemente, mais barata será a operação do sistema. A Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) alega que, seis meses depois de os novos contratos terem entrado em vigor na Capital, o prejuízo acumulado é de R$ 40 milhões — um dos motivos seria a queda de 7,35% no número de passageiros.

As datas para início da demarcação ainda não foram definidas, mas a primeira contemplada será a Assis Brasil, seguida pela Icaraí. As outras que devem contar com corredor até o final de dezembro são Venâncio Aires, Loureiro da Silva, Mauá e Sertório. A EPTC avalia se lotações utilizarão os espaços. Em relação aos táxis, só será permitido embarque e desembarque.

A criação das faixas tem amparo na lei que institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana, sancionada em 2012. A legislação afirma, em seu artigo 6º, que é orientada por diretrizes como prioridade "dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado".

Cuidado com conversão e sinalizações

A iniciativa é vista com bons olhos por especialistas na área. Conforme João Fortini Albano, professor da UFRGS e doutor em Transportes, a faixa libera o trânsito para a maior parte das pessoas, que estão em ônibus e não carros.

— É uma democratização do uso do sistema viário, que atualmente privilegia muito o proprietário do transporte individual, responsável por ocupar uma área maior e uma lotação menor. A maioria dos locais em que foram implementadas faixas exclusivas teve resultados positivos — afirma Albano.

O professor chama atenção para o cuidado que será preciso ter com as conversões à direita feita pelos automóveis na Ipiranga, que precisarão cruzar o corredor. A sinalização será fundamental, e o fato de a faixa exclusiva funcionar só em horários de pico na via (em algumas, será 24h) minimizará a questão.

Diretor do WRI Brasil Cidades Sustentáveis, Luis Antonio Lindau considera a medida interessante e diz que está de acordo com o que ocorre em outras cidades brasileiras, como São Paulo. Ele salienta a maior possibilidade de cumprimento da tabela horária, um dos itens mais apreciados pelos passageiros.

— Tirar o ônibus do congestionamento é superimportante. Isso chega em boa hora, mas há espaço para muito mais. Espero que seja só o início. Temos de olhar mais para o transporte coletivo e para o transporte não motorizado, ou seja, calçadas e faixas de bicicleta. Temos de começar a resgatar o espaço para as pessoas — analisa. 


 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.