Previsão do tempo

Janeiro terá mais temporais no RS; veja o que causa o fenômeno 

Fenômeno La Niña colabora com deslocamento de massa de ar frio e úmido que provoca chuvas fortes na região

05/01/2017 - 10h58min | Atualizada em 05/01/2017 - 10h58min
Janeiro terá mais temporais no RS; veja o que causa o fenômeno  Mateus Bruxel/Agencia RBS
Temporal desta última quarta-feira deixou ruas alagadas em Porto Alegre Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS  

As fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul nos últimos dias, deixando estragos e milhares de pessoas sem luz, são um fenômeno comum na região durante o verão, explicam os meteorologistas consultados por ZH. O alerta para novos temporais permanece para esta quinta-feira.

Leia mais:
Bronzeado seguro existe? Mitos e verdades sobre como ficar com aquela ¿corzinha¿ do verão
A turma que se reúne há mais de três décadas em Capão da Canoa

No mês de janeiro, os gaúchos devem ficar preparados para mais chuva forte, avisa Gil Russo, meteorologista chefe da sessão de previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) de Porto Alegre. O especialista afirma que a ocorrência dessas condições climáticas estão dentro do esperado para a estação. As intempéries que atingiram o Rio Grande do Sul têm algumas características: são marcadas por chuvas fortes, mas passageiras, e com possibilidade de rajadas de vento.

Na terça e na quarta-feira, os gaúchos acordaram com tempo nublado e céu encoberto, e o dia teve algumas aparições do sol, mas em determinada parte do dia, a chuva chegava com intensidade. Essas condições climáticas acontecem devido a uma combinação de fatores. Nos dias anteriores, o ar estava quente e seco. Uma frente fria que vem da Argentina ou da Antártica, com ar úmido, se choca com essa massa de ar quente que vem do interior do continente, de áreas como o Sudeste e Centro-Oste do Brasil, e que chega ao Sul provocando o temporal.  

Quando as temperaturas estão altas, como nos últimos dias, e essa massa de ar fria se desloca para a região, há um contraste, que, quanto maior, mais chances há de temporais. Fábio Luengo, meteorologista da Somar, esclarece que o La Niña, um fenômeno que resfria a água do Oceano Pacífico equatorial e favorece a movimentação da frente fria em direção ao Sul, colabora para essa condição.

— O La Niña colabora para as frentes frias avançarem pelo Brasil. Para um ano de La Niña, está dentro do esperado. Os últimos anos que foram um pouco fora do comum por causa do El Niño, que deixa a frente fria mais parada e causa aquelas chuvas fortes e mais contínuas¿ — diz Luengo. 

Leia as últimas notícias 

 






 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.