Interior

Roteiro para um fim de semana com a família na serra gaúcha

Leitora conta como foi seu passeio com o marido e as filhas na Serra, culminando com uma passagem pelo Litoral Norte

Por: Claudia Bins*
04/09/2014 - 09h01min
Roteiro para um fim de semana com a família na serra gaúcha Claudia Bins/Arquivo Pessoal
Foto: Claudia Bins / Arquivo Pessoal  

Somos uma família viajante, adoramos conhecer lugares novos, perambular por aí. Fazíamos isso antes de termos filhos, e agora, com nossas meninas, encaramos estrada, avião ou navio sem o menor preconceito. Elas têm quatro e oito anos e, desde bebezinhas, nos acompanham em nossas aventuras.

Este ano, no feriado de 1º de maio, optamos por uma viagem de carro. Nossa ideia era curtir as cores do outono aqui no Sul culminando com o Festival de Balonismo na praia de Torres. Quando viajamos com as crianças planejamos tudo, desde o número de horas no carro, os hotéis, os lugares para as refeições e as atrações, tentando combinar os interesses das pequenas com os nossos.

Esse roteiro nos deu a oportunidade de mostrar a elas a cultura dos imigrantes italianos nos Caminhos de Pedra, em Bento Gonçalves, a paisagem deslumbrante do Lago São Bernardo, em São Francisco de Paula, uma pequena aventura na Trilha do Cotovelo, no Itaimbezinho, e o espetáculo de ver o céu tomado por balões de ar quente em Torres.

Primeira parada: Bento Gonçalves

Saímos de Porto Alegre pela manhã e chegamos a Bento por volta das 11h. Paramos no Centro de Informações Turísticas ao lado do pórtico, onde pegamos um mapa bem explicadinho de como chegar aos Caminhos de Pedra, além de uma bela descrição do que visitar lá. Passeamos, almoçamos na Casa Vanni um risoto de carne de panela dos deuses!

Caminhos de Pedra, em Bento Gonçalves
Foto: Claudia Bins, arquivo pessoal


Paramos no mirante da cascata dos amores e visitamos uma vinícola. No final da tarde, passamos por Caxias do Sul em direção à Rota do Sol, a caminho de São Francisco de Paula. Fiquei muito impressionada com a beleza da paisagem nessa estrada, bem conservada e bem sinalizada. Só não tem lugar para parar no caminho, tipo restaurante ou posto de gasolina.

Segunda parada: São Francisco de Paula

Chegamos a São Francisco por volta das 19h30min e já era noite. Fomos direto ao hotel, em frente ao Lago São Bernardo. No outro dia de manhã, passeamos ao redor do lago, que estava lindo por conta das árvores coloridas pelo outono. O pônei, os triciclos e a pracinha fizeram a festa das meninas. Ficamos a manhã toda ali e, perto do meio-dia, pegamos a estrada em direção a Cambará do Sul. Estrada linda também, muito bem conservada.

Claudia com as filhas em São Francisco de Paula
Foto: arquivo pessoal


Terceira parada: Cambará do Sul

Tão logo chegamos à cidade, fomos almoçar no restaurante Casarão, um rodízio de trutas, onde ficamos por um bom tempo curtindo o ambiente (e a comida!). Depois, compramos mel na Casa do Mel e, de lá, seguimos ao parque. São 18 quilômetros de estrada de chão, bem ruinzinha mesmo. Muitas pedras, pedregulhos e subidas e descidas que fazem o curto trecho se tornar interminável.

>> Turismo de aventura é destaque em roteiro na serra gaúcha
>> Roteiro apresenta cultura alemã rural em Nova Petrópolis
>> Onde fazer enoturismo no Rio Grande do Sul
>> Passeio de helicóptero é uma das atrações do Estação Gramado

Chegando ao parque, tudo muda. Após comprar os ingressos (R$ 6,50 por pessoa, crianças até 12 anos não pagam), seguimos pela estrada asfaltada até o estacionamento. De lá, uma caminhada curta leva à sede do parque, onde guias bem simpáticos explicam tudo o que você precisa saber sobre as trilhas. Nos indicaram a Trilha do Cotovelo, que dá 30% de visão do cânion e é bastante adequada às crianças. O dia estava bonito e foi bastante tranquilo e agradável. As crianças aproveitaram muito o lugar, e, por volta das 16h, seguimos viagem a Torres.

Última parada: Torres

A descida da serra pela Rota do Sol é maravilhosa, a estrada mais uma vez surpreendeu e chegamos a nosso destino no final da tarde, recepcionados por um céu repleto de balões. Uma visão difícil de esquecer. À noite, por volta das 21h, os jipes com os cestos dos balões fizeram um desfile pela Avenida Rio Branco e, a cada cem metros, acendiam o fogo dos queimadores, que subia muito alto, fazendo a festa das meninas, que vibravam com a visão privilegiada da sacada do hotel.

No outro dia pela manhã, acordamos com o céu tomado de balões, que subiam para a primeira prova da manhã. Passeamos por Torres e pelo Parque do Festival de Balonismo onde, entre outras atrações, vimos show de paraquedistas, carros customizados, motocicletas incrementadas e muito mais.

 

*Claudia é consultora de expansão de mercados e mora em Porto Alegre

Também quer participar? Fez uma viagem legal e quer contar a sua história? Mande texto e fotos para o e-mail viagem@zerohora.com.br

Leia mais notícias sobre cultura e entretenimento
Confira mais dicas de passeios e turismo

 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.