Violência

Morte de representante comercial foi antecedida por sequência de crimes

Bandidos cometeram pelo menos seis assaltos e um sequestro relâmpago antes do latrocínio

26/08/2016 - 02h42min | Atualizada em 26/08/2016 - 15h28min
Morte de representante comercial foi antecedida por sequência de crimes Carlos Macedo/Agencia RBS
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS  

Um dos presos suspeitos de matar a representante comercial, Cristine Fonseca Fagundes, 44 anos, confessou participação no crime. Fabrício Farias, 20 anos, disse que estava com mais dois comparsas em um veículo roubado, quando ocorreu o disparo fatal. Cristine foi morta com um tiro na cabeça dentro do seu veículo, um Honda City, na Rua Ari Marinho, próximo ao Colégio Dom Bosco. Ela estava com o carro estacionado aguardando a saída do filho de 10 anos do colégio.  As informações são da Rádio Gaúcha.   

A filha adolescente de 17 anos estava ao lado da mãe, no banco do carona e presenciou o crime. Ela chegou a se agachar no veículo para não ser atingida.  

Leia mais:
Após latrocínio, secretário da Segurança Pública pede demissão
"Era uma batalhadora", diz irmão de mulher morta ao buscar filho em escola
Após latrocínio, moradores protestam em frente à casa do governador Sartori

Tudo começou com o roubo de um Pálio vermelho na zona norte de Porto Alegre. O trio fez pelo menos seis assaltos na sequência, levando o dono do carro como refém. Ao final, na última investida, foi quando Cristine foi abordada e, segundo o criminoso confesso, o comparsa disparou sem querer após um movimento brusco dentro do carro.   

A Polícia Civil prendeu cinco pessoas, entre elas Fabrício. Quatro foram liberados. Os outros dois que participaram do crime, entre eles o atirador, já estão identificados e seguem sendo procurados.  

Leias as últimas notícias do dia


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.