Violência

Mulher é morta durante assalto na zona norte de Porto Alegre

Crime aconteceu por volta das 18h desta quinta-feira, no bairro Higienópolis

25/08/2016 - 18h52min | Atualizada em 26/08/2016 - 15h22min
Mulher é morta durante assalto na zona norte de Porto Alegre Carlos Macedo/Agencia RBS
Local do crime foi isolado para perícia, nas proximidades do Colégio Dom Bosco, onde a vítima buscava o filho Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS  

Quinta-feira, 17h30min, na Rua Ari Marinho, bem próximo à esquina com a movimentada Eduardo Chartier, no bairro Higienópolis, zona norte de Porto Alegre, uma mãe, acompanhada pela filha adolescente, dentro de um Honda Fit, aguarda o outro filho, que está por sair da escola. Sem que ela perceba, um homem aproxima-se da janela e, com uma arma, exige que ela entregue o celular. Sem reagir, Cristine Fonseca Fagundes, 44 anos, foi baleada na cabeça e tornou-se a 25ª vítima de latrocínio (roubo com morte) na Capital.

O crime ocorreu a poucos metros de uma escola infantil e quase em frente ao Colégio Dom Bosco, de onde sairia o filho de Cristine ao final de mais uma tarde de aula, e para onde correu, em pânico, a filha, após a mãe ser alvejada. Após o incidente, a direção informou pais e alunos que a escola não abrirá nesta sexta-feira, e as aulas só serão retomadas na segunda-feira.

Leia também:
Secretário da Segurança  do Estado pede exoneração após latrocínio
"Era uma batalhadora", diz irmão de mulher morta
Presos cinco suspeitos de participar do latrocínio de vendedora

Os autores do crime (eram pelo menos dois, de acordo com o que apurou a polícia), seguiam pela Rua Ari Marinho, a partir da Coronel Feijó, realizando um ataque em série. Pelo menos outras duas vítimas haviam sido assaltadas por eles, entregando celulares.

Um caso a cada nove dias e meio em Porto Alegre

Embora Cristine estivesse em um carro, objeto preferencial dos autores de latrocínio (de acordo com a planilha do Diário Gaúcho, dos 24 casos anteriores na Capital, em 12 o objetivo era roubo de veículos), desta vez foi diferente.

— Deu para escutar ele (criminoso) gritando: "passa o celular, passa o celular" e, logo depois, deu para ouvir o tiro — descreveu uma pessoa que estava próxima ao local e pediu para não ser identificada.

O caso está sendo investigado pela 9ª Delegacia de Polícia (DP), com o apoio de outras DPs distritais. Na noite desta quinta-feira, cinco suspeitos foram detidos e ouvidos. De acordo com o delegado Alexandre Vieira, pelo menos um deles teria participado do crime. Outros dois já foram identificados.

— Saímos em busca e prendemos cinco suspeitos, sendo que um deles tinha um celular de uma das vítimas. Eles foram reconhecidos. Um deles já está preso e vamos indiciar por latrocínio — falou o delegado.

Em menos de oito meses, a Capital já registra 25 latrocínios neste ano. A média é de um assalto com morte a cada nove dias e meio. Em todo o ano passado, foram 23 casos, sendo 14 deles até 25 de agosto. Além dos 12 casos em que o objetivo dos assaltantes era o roubo de veículos, neste ano, nas demais situações, seis foram assaltos a pedestres, três a estabelecimentos comerciais, dois a residências, e o outro a ônibus.

Mapa da Violência 2016: veja dados de homicídios no seu município

No Estado, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública, nos seis primeiros meses de 2016, foram 89 roubos que resultaram em morte, 35% a mais na comparação com 2015. Levantamento de Zero Hora mostrou que, se for mantido o ritmo do primeiro semestre entre julho e dezembro, o ano vai terminar com o recorde histórico de latrocínios desde que a SSP começou a fazer a contagem dos casos, em 2002.


 
 
 
 
Zero Hora No jornal Zero Hora você encontra as últimas notícias sobre esportes, economia, política, moda, cultura, colunistas e mais.